Primavera 2020: novos planos!

Monte Bandai na Primavera

Na Primavera de 2020 o Japão estará a mil! Irá decorrer a passagem da Tocha Olímpica pelos principais pontos turísticos (o que vai afectar um pouco os habituais fluxos de visitantes), prevê-se que a época da floração das Sakura atinja novos recordes históricos (2018 e 2019 atingiram novos recortes, com aumentos de um ano para o outro na ordem dos 30%), e por tudo isso pensámos que já era hora de fazer um Plano de Viagem que fugisse um pouco à confusão. O Japão tem muitos encantos e muitas oportunidades de realização de um percurso temático interessante, sem prescindir em nada quanto à autenticidade da experiência. O que é preciso é saber onde ir, como ir, o que fazer, e ter o suporte de quem sabe como mostrar o Japão real a quem o quer conhecer. E é precisamente nisso que podemos ajudar.

Por isso apresentamos aqui no blog, em primeira mão e em exclusivo, uma amostra de um Plano de Viagem subordinado à temática “Bonsai & Natureza”, que privilegia não só o contacto com estas temáticas mas também experiências de turismo imersivo complementares na cidade de Tokyo e em duas províncias a norte desta (detalhes sob consulta).

primavera em tokyo

Para os que nos seguem já não será novidade esta nossa preocupação em criar conteúdos gratuitos para o blog e também a franqueza com que indicamos quanto é que um viajante que vá por sua própria conta poderá esperar gastar. Acreditamos que todos têm direito a tomar a iniciativa de partir à descoberta, e gostamos de inspirar os mais afoitos. Este Plano também tem em consideração as preocupações por um orçamento acessível, e por isso orgulhamo-nos do resultado. Com este itinerário pode esperar gastar cerca de dois mil euros na sua viagem de 13 dias, e se contar que consegue um voo internacional entre 500 e 600 euros, já se vê que fica uma viagem muito em conta.

Clique abaixo para descarregar o PDF:

amostra plano de viagem_ tema bonsai & natureza_ primavera 2020

Se desejar mais informações estamos disponíveis por email:

umlongoveraonojapao@gmail.com

Está quase aí a época para subir ao Monte Fuji!

monte fuji capa

A época para subir até ao topo do Monte Fuji inicia-se no próximo dia 1 de Julho (trilho Yoshida), e ao longo dos primeiros 10 dias de Julho todos os trilhos oficiais vão ficar abertos. A partir daí, e até Setembro, poderá subir a esta emblemática montanha e desfrutar de uma das vistas mais famosas do Japão. Contudo, e porque esta é uma empreitada que exige alguma preparação, criámos um vídeo no nosso canal de Youtube para dar mais informações.

Clique aqui para ser redireccionado para o nosso canal de Youtube.

(O vídeo será publicado a 28 de Junho de 2019, às 15:00h)

Recomendamos aos nossos leitores que vejam o vídeo e que consultem os documentos que abaixo apresentamos. Desejamos a todos um Verão maravilhoso, com ou sem subida ao Fuji-san.

Website Oficial do Parque Natural e Gestão de Trilhos do Monte Fuji:

http://www.fujisan-climb.jp/en/  (em inglês)

Tal como se pode consultar neste website, e em particular nesta secção http://www.fujisan-climb.jp/en/risk/guidelines.html, deverão submeter um pedido através do preenchimento de um formulário (disponível em inglês). Esse formulário designa-se “off season” porque no preciso momento em que este artigo está a ser escrito ainda não abriu a época oficial (ainda não é 1 de Julho) e por isso os pedidos teriam de entrar na categoria “off season”. Contudo, mesmo na época “aberta”, é preciso submeter um formulário, ou então contratar um operador turístico ou um guia para o fazer em nome de um grupo.

Formulário em PDF: off_season_climbing_form_Fuji

Siga o link abaixo para abrir o mapa integral de todos os trilhos de acesso ao topo do Monte Fuji:

Fuji_Climbing_Map

Se gostaria de ter uma boa vista do Monte Fuji mas não exactamente subir ao topo, recomendamos uma visita a Gotemba ou um passeio no lago Ashi (em Motohakone). Pode também consultar este guia de visita:

Artigo no website Japan Travel sobre Mishima e o Monte Fuji

 

Mais uma experiência exclusiva!

Desde que procurámos desenvolver o nosso programa de turismo imersivo, enquadrado num contexto de estudos japoneses mas aberto ao público geral, tem sido uma sucessão de momentos felizes. Felizmente, temos tido uma resposta muito positiva por parte das entidades japonesas, desde associações culturais a pequenas empresas de revitalização rural, passando por profissionais dos mais diversos sectores, da culinária à produção artística!

De modo muito sucinto, o que as nossas propostas de turismo imersivo procuram alcançar é levar o viajante que quer um mergulho cultural autêntico a encontrar aqueles que, no Japão, o podem proporcionar.

Mas temos ainda outros dois objectivos essenciais, que nunca podem ficar comprometidos: queremos que as experiências sejam acessíveis às condições médias do publico português (o que passa por exemplo por preços baixos ou mesmo sem custos), e queremos que a sua realização seja feita sem intermediários comerciais, de modo que o eventual investimento reverta directamente para aqueles que estão a precisar dele.

O turismo imersivo que desenvolvemos no Japão é tão diferente de “turismo” que quase nem se pode chamar assim! Na verdade o que temos em mente é contribuir para que as zonas do Japão tendencialmente menos desenvolvidas (com um contexto de depressão económica e populacional por exemplo) mas ao mesmo tempo culturalmente mais ricas possam ser visitadas e desfrutadas por aqueles que, de outro modo, nem saberiam o que procurar ou como lá ir ter.

Todas as parcerias são fruto de uma relação pessoal, de uma experiência prática, de uma amizade que tem em vista aumentar a energia da cada uma das partes, com reciprocidade e respeito. Não estamos a fazer contas nem tabelas de excel, quando há despesas que é necessário pagar apresentamos claramente a situação aos visitantes, mas não havendo o objectivo fixado do lucro nem a exploração de empresas de turismo massificado deixamos de lado a mentalidade consumista. Não consumimos, partilhamos. Não vendemos, mostramos. E, juntos, ficamos a conhecer-nos melhor e a estimar convenientemente a preciosidade do momento em que nos encontramos. É uma grande sorte poder contar com cada um dos que se “chegam à frente”, tanto do lado do Japão como do lado de Portugal!

O leque de experiências de turismo imersivo das quais já dispomos incluí as tradições mais significativas do Japão, como por exemplo a Cerimónia do Chá, a estadia em Ryokan com termas “onsen”, ou a gastronomia única dos templos budistas; e incluí também propostas totalmente inovadoras – mesmo no panorama turístico “convencional” japonês – como por exemplo o “glamping” em reservas naturais ou as rotas temáticas dentro do universo da espiritualidade e religião.

Mas, a partir do Verão de 2019, dispomos de mais uma experiência!

É com grande satisfação que anunciamos uma parceria que procurávamos há muito tempo: um espaço para realizar retiro de meditação, devidamente orientado, enquadrado tanto culturalmente como naturalmente.

62566554_597148164127502_7188884387092496384_o.jpg

Este complexo, com templo, casas de retiro, aulas, workshops e alimentação, permite o acesso a não-japoneses, incluí orientação em inglês (e pode incluir também em português), sem comprometer a qualidade do conteúdo. Recebe tanto visitantes individuais como grupos, mediante pedido prévio (e reserva-se ao direito de não aceitar todos, pois afinal é um templo), para estadias mínimas de 3 dias consecutivos.

A localização, na Prefeitura de Oita, permite-nos articular com outras experiências de turismo imersivo que já temos vindo a implementar na região e na ilha de Kyushu, sendo assim uma mais valia para os viajantes que nos procuram para que os possamos ajudar a criar um programa à sua medida.

Por fim, mas como acima dissemos, não menos importante, é a razoabilidade de custos dos retiros que se podem fazer neste local. Com efeito, devido a uma abordagem com a qual também nos identificamos, o custo de participação não é fixo e o objectivo fundamental não é o enriquecimento, mas sim a contribuição significativa para os projectos de beneficência à população local que este templo suporta.  Existe o apelo ao donativo mínimo, até porque este é necessário para suportar os custos de limpeza, elaboração de refeições, e outros gastos, mas no final a totalidade da experiência recomendada (4 dias e 4 noites, em regime de pensão completa e retiro orientado) fica a menos de metade de experiências equivalentes que se realizam noutras partes do Japão mais afectadas pelo crescimento do turismo de massas.

As fotos acima, retiradas directamente desta nova experiência de turismo imersivo, agora disponível para os viajantes de Portugal, podem ser apenas imagens, meras cores na ilusão da visão, mas esperemos que o cativem para as possibilidades infinitas da sua recriação e do seu recomeço, quer tenha a possibilidade de nos acompanhar na próxima viagem ao Japão ou na sua vida diária, onde quer que se encontre.

Vamos ao Japão em Agosto deste ano, com partida de Portugal já confirmada dia 20 de Agosto, e regresso a 3 de Setembro. Caso queira saber mais sobre esta viagem por favor contacte umlongoveraonojapao@gmail.com