Mais uma experiência exclusiva!

Desde que procurámos desenvolver o nosso programa de turismo imersivo, enquadrado num contexto de estudos japoneses mas aberto ao público geral, tem sido uma sucessão de momentos felizes. Felizmente, temos tido uma resposta muito positiva por parte das entidades japonesas, desde associações culturais a pequenas empresas de revitalização rural, passando por profissionais dos mais diversos sectores, da culinária à produção artística!

De modo muito sucinto, o que as nossas propostas de turismo imersivo procuram alcançar é levar o viajante que quer um mergulho cultural autêntico a encontrar aqueles que, no Japão, o podem proporcionar.

Mas temos ainda outros dois objectivos essenciais, que nunca podem ficar comprometidos: queremos que as experiências sejam acessíveis às condições médias do publico português (o que passa por exemplo por preços baixos ou mesmo sem custos), e queremos que a sua realização seja feita sem intermediários comerciais, de modo que o eventual investimento reverta directamente para aqueles que estão a precisar dele.

O turismo imersivo que desenvolvemos no Japão é tão diferente de “turismo” que quase nem se pode chamar assim! Na verdade o que temos em mente é contribuir para que as zonas do Japão tendencialmente menos desenvolvidas (com um contexto de depressão económica e populacional por exemplo) mas ao mesmo tempo culturalmente mais ricas possam ser visitadas e desfrutadas por aqueles que, de outro modo, nem saberiam o que procurar ou como lá ir ter.

Todas as parcerias são fruto de uma relação pessoal, de uma experiência prática, de uma amizade que tem em vista aumentar a energia da cada uma das partes, com reciprocidade e respeito. Não estamos a fazer contas nem tabelas de excel, quando há despesas que é necessário pagar apresentamos claramente a situação aos visitantes, mas não havendo o objectivo fixado do lucro nem a exploração de empresas de turismo massificado deixamos de lado a mentalidade consumista. Não consumimos, partilhamos. Não vendemos, mostramos. E, juntos, ficamos a conhecer-nos melhor e a estimar convenientemente a preciosidade do momento em que nos encontramos. É uma grande sorte poder contar com cada um dos que se “chegam à frente”, tanto do lado do Japão como do lado de Portugal!

O leque de experiências de turismo imersivo das quais já dispomos incluí as tradições mais significativas do Japão, como por exemplo a Cerimónia do Chá, a estadia em Ryokan com termas “onsen”, ou a gastronomia única dos templos budistas; e incluí também propostas totalmente inovadoras – mesmo no panorama turístico “convencional” japonês – como por exemplo o “glamping” em reservas naturais ou as rotas temáticas dentro do universo da espiritualidade e religião.

Mas, a partir do Verão de 2019, dispomos de mais uma experiência!

É com grande satisfação que anunciamos uma parceria que procurávamos há muito tempo: um espaço para realizar retiro de meditação, devidamente orientado, enquadrado tanto culturalmente como naturalmente.

62566554_597148164127502_7188884387092496384_o.jpg

Este complexo, com templo, casas de retiro, aulas, workshops e alimentação, permite o acesso a não-japoneses, incluí orientação em inglês (e pode incluir também em português), sem comprometer a qualidade do conteúdo. Recebe tanto visitantes individuais como grupos, mediante pedido prévio (e reserva-se ao direito de não aceitar todos, pois afinal é um templo), para estadias mínimas de 3 dias consecutivos.

A localização, na Prefeitura de Oita, permite-nos articular com outras experiências de turismo imersivo que já temos vindo a implementar na região e na ilha de Kyushu, sendo assim uma mais valia para os viajantes que nos procuram para que os possamos ajudar a criar um programa à sua medida.

Por fim, mas como acima dissemos, não menos importante, é a razoabilidade de custos dos retiros que se podem fazer neste local. Com efeito, devido a uma abordagem com a qual também nos identificamos, o custo de participação não é fixo e o objectivo fundamental não é o enriquecimento, mas sim a contribuição significativa para os projectos de beneficência à população local que este templo suporta.  Existe o apelo ao donativo mínimo, até porque este é necessário para suportar os custos de limpeza, elaboração de refeições, e outros gastos, mas no final a totalidade da experiência recomendada (4 dias e 4 noites, em regime de pensão completa e retiro orientado) fica a menos de metade de experiências equivalentes que se realizam noutras partes do Japão mais afectadas pelo crescimento do turismo de massas.

As fotos acima, retiradas directamente desta nova experiência de turismo imersivo, agora disponível para os viajantes de Portugal, podem ser apenas imagens, meras cores na ilusão da visão, mas esperemos que o cativem para as possibilidades infinitas da sua recriação e do seu recomeço, quer tenha a possibilidade de nos acompanhar na próxima viagem ao Japão ou na sua vida diária, onde quer que se encontre.

Vamos ao Japão em Agosto deste ano, com partida de Portugal já confirmada dia 20 de Agosto, e regresso a 3 de Setembro. Caso queira saber mais sobre esta viagem por favor contacte umlongoveraonojapao@gmail.com

Os rostos e os rastos que (n)os ligam

A grande-história e a pequena-história têm formas muito interessante de se relacionarem, e muitas vezes é um singelo “fio” que puxa pela meada, até percebermos quantas pessoas e lugares diferentes estão envolvidos. Este será por isso um post invulgarmente longo, e também invulgarmente pessoal, feito de gratidão e de maravilhamento. Pois, também na produção da ciência (conhecimento) há a felicidade, de vez em quando, de sentir em primeira mão essa conexão entre as vontades de pessoas espantosas.

img_20190310_113434_285.jpg

Num dos nossos Clubes de Leituras do Oriente (o de Novembro de 2017, que podem revisitar aqui) tratámos o livro “O Samurai”, de Shusaku Endo. A obra foi escolhida depois de, numa edição anterior do Clube, termos trabalhado o livro “Silêncio”, que foi escrito antes de “O Samurai” e que, apesar de ficar famoso em Portugal depois do filme, continua pouco compreendido no geral. No livro “O Samurai”, a personagem principal é modelada a partir dos eventos da vida de uma personagem histórica real: Hasekura Tsunenaga. Este vassalo do Senhor Feudal Date Masamune (o daimyou de Sendai) e toda a sua comitiva estiveram efectivamente envolvidos numa daquelas viagens épicas da história da humanidade. E, ao prepararmos os conteúdos para essa sessão, um outro livro e um outro conjunto de pessoas veio ao encontro deste Projecto Cultural e Pedagógico também. O que é espantoso, e ainda mais por ser autêntico e actual, é que esse conjunto de pessoas são indivíduos de hoje, numa terra a umas meras 5 horas de carro, e que são directa e geneticamente relacionados com os eventos que inspiraram Sgusaku Endo a escrever “O Samurai”. Aliás, se o escritor tivesse tido disto conhecimento creio que teria escrito mais um livro…

Quando a “Embaixada Keichou” finalmente chegou a terras de Espanha (para se informar da viagem completa consulte aqui) , em Outubro de 1614, foi numa pequena povoação chamada Coria del Rio que estacionaram durante alguns dias, antes de uma entrada formal na cidade de Sevilha. E é precisamente em Coria del Rio que, nos anos 80 do século XX, começa a tomar forma um movimento de associativismo cívico – primeiro muito informal e depois com cada vez mais apoios do município, entre todos os habitantes que têm no seu nome de família o apelido “Japón”. Sim, com efeito a pequena localidade que dava entrada aos meandros do rio (via obrigatória para chegar a Sevilha), desenvolveu-se durante 400 anos sem perder a ligação àquela comitiva: os seus descendentes sempre mantiveram o sobrenome “Japón”.

A Associação que entretanto de formou estima que existam mais de 1000 pessoas com “Japón” até ao 3º nível de parentesco, e existem registadas mais de 500 com “Japón” em nome próprio ou num dos pais. A abundância de pessoas que têm “Japón” da parte do pai e também da parte da mãe comprova ainda mais o facto de, em Coria del Rio, existir uma circunstância peculiar de ascendência japonesa que se foi mantendo. Do ponto de vista da identidade cultural dos habitantes de Coria del Rio isso também é notório, desde já porque a sede de governo local tem a bandeira do Japão hasteada, e também porque há muitos outros marcadores do espaço público e eventos culturais que remetem para o Japão. Mas tudo isto foi um processo, longo aliás, já que dura há pelo menos 30 anos de forma organizada. E, mais recentemente, em 2014, foi realizado um projecto artístico, focado na fotografia/retrato, para documentar todas as pessoas com o apelido “Japón”.

Essa exposição fotográfica poderia ter ficado apenas em Coria del Rio, ou quanto muito ter chegado em forma de relato ao Japão, já que há muitos japoneses que visitam a localidade espanhola devido a esta história que os liga. Mas, também neste caso, a sinergia não cessou. A energia desta viagem épica do século XVII ainda se sente no modo como os encontros se multiplicam e as iniciativas se sucedem.

Na bela cidade alentejana de Vila Viçosa pode também sentir-se o impacto da passagem de uma embaixada japonesa daquele período histórico, que aliás precedeu a de Kenchou a Espanha. No caso da Embaixada Tenshou – a que passou por Portugal – as circunstâncias foram muito diferentes, e não houve lugar a descendência que se saiba. Contudo, tal como no caso de Coria del Rio, estas embaixadas tiveram um grande impacto e deixaram vestígios documentais que, já no século XX/XXI, vieram a ser “redescobertos” por intelectuais interessados e de visão larga. Assim, os livros produzidos, habilmente redigidos e divulgados junto da população em geral, permitem aos leitores de hoje, e sobretudo aos habitantes destas localidades, ter uma impressão directa do papel que o lugar onde vivem representou na chamada “Primeira Globalização”.

A exposição de fotografias de Coria del Rio chegou ontem a Vila Viçosa, e foi inaugurada com um evento muitíssimo bem organizado e extraordinariamente relevante nas relações entre a Península Ibérica e o Japão. A pequena sala de rés-do-chão do Cine-Teatro Florbela Espanca em Vila Viçosa foi efectivamente o lugar onde se realizou o evento cultural, pedagógico e académico mais significativo do último ano no que diz respeito às relações de diplomacia informal ibero-nipónicas, embora a humildade dos seus protagonistas e a singeleza dos seus organizadores tenham possivelmente distraído o público desse facto.

 

A Exposição “El r@stro del samurái” poderá visitar-se todos os dias da semana e do fim-de-semana, das 14h às 18h, gratuitamente. O catálogo da exposição está também disponível para venda, tendo o PVP de 15 euros, e os fundos revertem para a Associação de habitantes de Coria del Rio com o sobrenome Japón, sendo esses fundos actualmente usados para financiar investigação e promover eventos de interculturalidade.

IMG_20190310_122729_772.jpg

Tiago Salgueiro, autor do livro “Do Japão para o Alentejo”, sobre a passagem da Embaixada Tenshou por Vila Viçosa, aqui a apresentar a documentação do arquivo da Fundação Casa de Bragança.

IMG_20190310_124948_697.jpg

Professor Doutor Juan Manuel Suárez Japón, membro de grande relevo na Associação Hasekura, aqui a apresentar as circunstâncias únicas de Coria del Rio no que diz respeito à sua relação com o Japão e os japoneses. Com efeito, devido às publicações desta Associação, as quais têm sido feitas em modo bilingue (também japonês), verificou-se um aumento do fluxo de visitantes japoneses, algo que estreitou significativamente as relações internacionais da localidade e trouxe grande satisfação aos “japónes” de Coria.

Convidamos todos os seguidores deste blog a conhecer esta exposição e também a realizar a visita ao Paço Ducal de Vila Viçosa, seguindo os passos da embaixada japonesa que o visitou há quase meio milénio. O estabelecimento de uma geminação entre o município de Coria del Rio e o de Vila Viçosa fazem prever um futuro brilhante para a cooperação entre estas duas localidades no que diz respeito à gestão do património cultural relacionado com o Japão – que é o factor que mais as aproxima – pelo que as relações ibero-nipónicas podem ter aqui um novo fôlego. Nós esperamos que sim, e teremos muito gosto em documentar as próximas iniciativas!

(Para efeitos jornalísticos, se desejar aceder a mais fotos e vídeos deste evento, queira por favor contactar umlongoveraonojapao@gmail.com)

 

 

Origens do Hiragana

O método “O Caminho do Kanji”, que é original e exclusivo deste programa pedagógico, introduz os seus alunos à língua japonesa através de conhecimentos profundos e contextualizados na história do Oriente, privilegiando portanto uma imersão completa na cultura do Japão.

Poderá ter um vislumbre do bloco temático “Origens do Hiragana” neste vídeo introdutório. Esperamos contar com a sua presença nos nossos cursos e workshops!

Próximo workshop: 27 de Agosto, das 16h às 17.30h, em Lisboa

A partir de Setembro, aulas regulares em Coimbra.

Para solicitar a implementação deste programa noutras partes do país por favor contacte por email. Estamos disponíveis para colaborar com Escolas de Línguas, Câmaras Municipais, Centros de Cultura e Arte, e outras instituições ligadas ao ensino e à cidadania.

Inscrições 2017/18

estudos japoneses em Coimbra_banner pub

As inscrições para o ano lectivo 2017/18 encontram-se abertas. As aulas começarão de hoje a um mês, no dia 8 de Setembro.

O programa de Estudos Japoneses poderá ser frequentado por alunos maiores de 16 anos (sem limite de idade), tanto na sua totalidade como apenas numa ou mais disciplinas. A inscrição na totalidade do programa, por períodos trimestrais, tem vantagens para o aluno, nomeadamente por lhe dar desconto. A inscrição em aulas individuais também é possível, estando sujeita à lotação de cada aula/evento e até 24h antes do mesmo.

No primeiro trimestre do ano civil de 2018 iniciarão novas disciplinas que exigem a frequência das disciplinas leccionadas entre Setembro e Dezembro de 2018, pelo que os alunos que não se inscreverem neste primeiro período poderão não ter todas as opções disponíveis no restante ano lectivo.

Recordamos que este é o único plano pedagógico 100% dedicado aos Estudos Japoneses em Portugal, e que tem o reconhecimento da Embaixada do Japão em Portugal.

Para mais informações por favor escreva para umlongoveraonojapao@gmail.com ou na página de facebook. 

Ano novo à japonesa…

Para os alunos do curso de Introdução aos Estudos Japoneses, e para todos os outros visitantes deste blog, aqui ficam sete expressões japonesas para o ano-novo. Espero que estas sete para 2017 vos inspirem a juntar-se a um grupo de estudo da cultura japonesa, seja o nosso ou outro qualquer, que os há de norte a sul do país. Vamos fazer a cultura japonesa e a cultura portuguesa darem um abraço e entenderem-se melhor uma à outra ao longo deste ano, sim? E, de resto, votos de um excelente ano para todos!

Download de Apresentação —>   7-expressoes-japonesas-para-o-ano-novo

Recomendação de leitura: O Elogio da Sombra.

O Elogio da Sombra, uma obra de Junichirou Tanizaki (1886-1965), foi publicado em 1933 e teve a sua primeira edição portuguesa em 1999. Tanizaki é um escritor que encarna plenamente a sua geração, preocupado com a especificidade (superioridade?) da cultura japonesa ao mesmo tempo que conhece e comenta a cultura ocidental. A obra, despretensiosa e elaborada à maneira de um ensaio livre, é profundamente visual e frequentemente poética, mesmo sem imagens ou lírica. Contudo, a segunda edição (da Relógio D’Água, 2008) apresenta uma selecção de fotografias que ajudam o leitor a ter uma impressão mais nítida de algumas das considerações do autor.

o elogio da sombra

Ler o Elogio da Sombra é uma coisa que um interessado na cultura japonesa deverá fazer repetidas vezes ao longo do seu percurso de aprendizagem. É suficientemente curto para nos ocupar um dia do final-de-semana e suficientemente denso para nos dar que pensar por muitas semanas! A última vez que o tinha lido fora há cerca de cinco anos, precisamente quando estava a começar uma fase intrépida do meu percurso académico, tendo escolhido prosseguir o doutoramento na área dos estudos japoneses. Ao sentir que necessitava de inspiração voltei-me naturalmente para uma das obras que tinha lido na licenciatura em história da arte, e que ainda penso ser fundamental para entender a arte japonesa. Aliás, o texto de Tanizaki, na forma como tece considerações entre a arquitectura, o culto do chá, o mobiliário e decoração, o teatro, a gastronomia, a literatura, a poesia, e mesmo a vida mundana mostra-nos desde o princípio que as categorias de “arte” que usamos no Ocidente não servem para entender as florações de criatividade nipónicas. Não há uma separação rígida entre “artes maiores” e “menores” e a estética aparece-nos como algo fluido, entre as suas diversas manifestações.

A sombra, uma figura que passa pelas diversas experiências estéticas sobre as quais o autor discorre, serve-lhe para integrar a arte japonesa do passado na projecção da identidade japonesa do (seu) presente. Não sendo sequer enunciado que o autor conhece (e dialoga implicitamente com) as obras de Poe, Baudelaire, ou Wilde, o leitor Ocidental poderá contudo sentir que as palavras lhe são dirigidas por alguém que consegue transpor a ponte do divórcio entre culturas. Para além disso, Tanizaki é o autor de um verdadeiro feito em discurso: dirige-se simultaneamente ao leitor estrangeiro e ao japonês (a obra foi escrita apenas para o público japonês originalmente, mas um público profundamente “ocidentalizado”). Argumenta – com veemência mas sem rudeza – a favor da necessidade de preservar o que o Japão tem de japonês, mesmo depois da febre da ocidentalização, do Grande Terramoto de Kanto (1923) e da emergência do discurso imperialista.

O Elogio da Sombra é como um velho amigo que nunca nos desilude mesmo se o negligenciámos um pouco, e nunca merecerá ganhar pó na prateleira. Se ainda não teve a oportunidade de se deleitar com esta leitura considere visitar uma livraria e sentar-se um pouco na sua companhia. Duvido muito que resista a levá-lo para casa…

 

 

 

 

 

Novo artigo no BPJS

bpjs

Foi publicado um artigo meu (de 2011) no BPJS, no volume nº 1 de 2015, que por motivos de orçamento e edição só foi tornado público agora. Por vezes mesmo aquilo que já nem tínhamos esperança que visse a luz do dia finalmente aparece… Por causa deste processo demorado devo acrescentar que as ideias do artigo já não estão 100% actualizadas. A investigação avançou mais e algumas questões foram revistas. Ainda assim, na sua abordagem geral, continua a reflectir a minha base de trabalho: não dar um termo por garantido e pôr sempre questões ao COMO e ao PORQUÊ de cada coisa. Se pretender ler o artigo ele é de acesso gratuito através do site da revista.

Referência bibliográfica:

Matos, Inês Carvalho (2015) “Namban Labyrinth” , Bulletin of Portuguese / Japanese Studies, 2ª série, vol. 1, 77-108.

Para comentar, citar ou integrar num website, por favor escreva para umlongoveraonojapao@gmail.com

Informações sobre a revista:

O Bulletin of Portuguese / Japanese Studies (BPJS) foi lançado em 2000 como um jornal interdisciplinar de humanidades e ciências sociais, pelo então Centro de História de Além-Mar da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. É uma publicação em língua inglesa, a única em Portugal dedicada aos Estudos Japoneses, e encontra-se indexada na ABX-CLIO, AERES, CARHUS Plus, CIRC, classifICS, ERIH Plus, MIAR, RedALyc, SHERPA/RoMEO, etc. O volume nº 1 de 2015 é o primeiro volume de uma nova fase do BPJS, com edição exclusivamente digital, sendo o painel editorial encabeçado pela Professora Doutora Alexandra Curvelo.

Pode aceder ao PDF do artigo aqui.

 

要旨

本稿では、いわゆる美術品と総称される可動性芸術遺産に適用される用語「南蛮」の起 源の再考を試みる。様式的、史的、文化的、等のジャンルの分類の基礎となる理論的・ 方法論的なアプローチを通じ、ポルトガルとポルトガル以外に存在する「南蛮」につ いての見解の潮流を比較し、その際だった差異を検証する。南蛮芸術を論じる際、芸術 としての認識に始まり、その美術作品が伝える内容、さらに付随する価値に至るまで、 複雑な迷路をさまよう感覚に陥る。本稿では既成された観念形態的な設定の解体を試み る。同時に、ポルトガルでの南蛮芸術に関する研究において、通常は考慮されることの ない(沈黙が保たれていたり、受け入れられずにいる)品々についても検討する。具体 的には、沈黙が保たれている対象がキリシタン殉教を描く作品類であり、受け入れられ ずにいる対象とは踏み絵を指す。それに加え、国際的美術品市場および21世紀に入り発 表され世界の広範囲に広まる論説でなされる偽りの価値も、南蛮美術史に関して本稿で 試みるような再評価を構築する要因となっている。その結果、美術史、美術地理学、形 状の移行についての文化研究、および「異種」の描写についての文化研究といった複数 研究分野の境界的領域に学際的研究分野が現れる。本稿は、人類が初めて経験するグロ ーバル時代に生み出され、植民地独立後の現代性の中で管理されるインパクトの前兆と なる作品の創造という観点における研究テーマとしての南蛮美術の紹介を試行する。

PDFのリンク