Memórias de uma viagem…

A partir de 30 de Setembro, já na próxima sexta-feira, a Casa das Artes Bissaya Barreto recebe a exposição “Denrai: O Legado”, um conjunto de 16 fotografias que propõem uma reflexão sobre a relação entre Portugal e o Japão.

Desde já convido a conhecerem os lugares onde as fotografias foram recolhidas:

Mapa com a localização das 16 fotografias da exposição “Denrai: O Legado”.

Acesso alternativo:

https://drive.google.com/open?id=1TcI55PzLB3nMlZys9LICsqU7yjM&usp=sharing

Fotografias do Japão

Eu levo as imagens a sério. Não só porque a minha formação de base é história da arte, mas também porque tenho tido a sorte de expor as minhas próprias fotografias do Japão e até de publicar algumas. Por isso procuro sempre avisar alunos e outras pessoas com as quais o meu trabalho se cruze da necessidade de ter em conta os direitos dos autores e dos editores, sejam eles amadores ou profissionais. Todas as imagens, publicadas em redes sociais, sites, blogues ou qualquer outro suporte, existem porque uma pessoa as criou. Já tive alunos que, candidamente, usaram imagens que não eram suas em cartazes, em apresentações de vídeo que depois colocaram na internet, e isso não seria um problema se fossem imagens que se podiam de facto usar livremente. Mas lá porque uma imagem aparece no motor de busca do google isso não quer dizer que seja para qualquer um se apropriar sem sequer informar quem é o seu autor ou de onde foi buscá-la!

Para quem gosta da cultura japonesa ou simplesmente precisa de usar imagens sobre a mesma, recomendo duas maneiras de o fazerem. A primeira é usarem as opções de busca do próprio google, seleccionando não só as palavras associadas às imagens mas também que querem os resultados filtrados pela licença de “uso com alterações”. Deste modo irão obter muitas opções (conforme as palavras de pesquisa que introduziram) mas estará salvaguardado que não se apresentam as imagens que, devido aos direitos do seu autor, não podem mesmo usar-se ou partilhar-se sem pagar direitos. No exemplo em baixo mostro o processo de busca de uma imagem para o tema “Chanoyu” (Cerimónia do chá).

instruções busca de imagensAs imagens obtidas através deste método garantem a quem as usa que não está a cometer uma infracção legal, mas ainda assim é preciso saber como apresentar a autoria e a fonte. Na sua maioria são imagens que estão incluídas em artigos da Wikipédia, pois nesta usa-se o registo Creative Commons (CC), no qual uma imagem pode ser usada livremente desde que seja para propósitos pedagógicos e culturais sem fins lucrativos Por exemplo, tenha-se em conta a primeira imagem que me apareceu ao fazer esta busca. Ao clicar nessa imagem fico com uma versão isolada da mesma, ao lado da qual se surge a hipótese de abrir a imagem numa nova janela ou de ir para a página onde esta se encontra. Devem ir para a página onde a imagem está publicada para tentar perceber como podem indicar o autor e a fonte.

instruções busca de imagens 2

De acordo com a descrição da imagem, trata-se de uma reprodução de uma pintura japonesa, a qual surge num livro. A pessoa que fez a digitalização da imagem para a introduzir na Wikipédia também está identificada, mas nem esta pessoa nem a Wikipédia detêm direitos sobre esta imagem. A imagem pode ser legendada “Reprodução de Pintura”, e nesse caso deve indicar-se a fonte ( Piccola enciclopedia del tè- Kitti Cha Sangmanee, Milano, 2001) o autor da pintura (Toshikata) e o local onde a mesma se encontra exposta ou guardada (Museu Victoria & Albert, Londres). Mas, para ser ainda mais correcto, quem usa a imagem deverá verificar se nem o autor nem a instituição que possui a obra original reclamam direitos também sobre as suas reproduções (o que não é raro).

Um outro método para encontrar imagens é servir-se de uma base de dados que já tem filtros seguros sobre os direitos de uso das mesmas. O site em baixo é um dos exemplos. Trata-se de um site intitulado “All free download” mas mesmo assim é preciso filtrar a pesquisa e ter em atenção que não se está a escolher uma imagens que foi colocada entre os resultados como forma de publicidade a outro site ou outro banco de dados. Na minha pesquisa usei apenas o termo “Japan”, e obtive imagens fabulosas. Ao seleccionar qualquer uma delas irá aparecer a informação do local, autor, data da fotografia, características técnicas da câmara, etc. Esses dados devem ser apresentados quando se faz uso de uma imagem, bem como o website, o termo de pesquisa e a data da consulta.

instruções busca de imagens 3

No caso desta imagem (em cima), temos a indicação do autor com um link. Ao seguir esse link vamos para a página deste autor (ver em baixo) noutro site.

instruções busca de imagens 4

Ficamos portanto a saber que o autor se chama David Mark, uma informação que não aparecia no site “All free download” mas que é importante para o creditar devidamente.

Aqui estão alguns dos resultados da pesquisa em http://all-free-download.com/free-photos/japan.html (sugestão: vão ao site ver as especificações e treinar a busca de informação para creditar os seus autores).

 

 

 

 

Vila do Bispo: Portugal à porta do Japão

A relação diplomática entre Portugal e o Japão tem muitas camadas. Seguramente existem os protocolos a nível nacional e os acordos políticos ratificados pelos respectivos governos, mas na verdade existe também uma fortíssima dimensão de relações internacionais mais “informais”, que tem o nome de “diplomacia pessoa-a-pessoa”. Um dos temas que me tem ocupado nos últimos anos é precisamente um modo de estabelecimento de relações para-diplomáticas (diplomáticas mas não só) entre as cidades geminadas. Os acordos de geminação não são o mais importante nesta questão, mas sim o modo como cada uma dessas geminações é um caso específico, com uma história própria e com relações mais ou menos fortes entre as pessoas e as instituições envolvidas.

Recentemente fui convidada para fazer consultoria para um projecto mesmo interessante – mas do qual não posso revelar muito por enquanto – que tem como espaço preferencial de execução um sítio muito especial em Portugal: Vila do Bispo. Para quem não sabe, Vila do Bispo é sede de município e está, desde 1993, geminada com Nishinoomote, a capital da ilha Tanegashima, que foi o primeiro ponto de contacto (oficialmente reconhecido) entre Portugal e o Japão, íamos então pelo ano de 1543.

Vila do Bispo está a um pulinho de Sagres e num ponto geográfico do país no qual se faz a transição entre a costa vicentina e a costa sul do Algarve propriamente dito (com a pressão turística e a descaracterização paisagística que se conhece). Para além disso, Vila do Bispo está bem dentro de um Parque Natural, o que de certo modo lhe dá condições privilegiadas para certas actividades, como por exemplo a observação de todo o tipo de animais, os percursos pedestres, os desportos de natureza e de mar, a apanha de marisco e peixe, etc.

Na minha opinião, e depois destes anos todos de contacto com Tanegashima e a sua população, parece-me que a geminação entre Vila do Bispo e Nishinoomote tem muito por onde se desenvolver! Vamos ver se conseguimos que o projecto que desenhámos se realize…

Entretanto deixo-vos algumas fotografias da minha última deslocação a Vila do Bispo (para uma reunião que tive na Câmara Municipal), incluindo a bela “Praça de Tanegashima” mesmo em frente à Câmara, e ainda o percurso do Castelejo. Evidentemente, aproveitei para fazer “reconhecimento”, que é na prática andar o mais possível por um lugar, experimentar tudo o que tem para oferecer e falar com as pessoas, para fazer um diagnóstico das suas potenciais linhas de desenvolvimento com um parceiro específico, que neste caso é a vila japonesa com a qual está geminada.

Nota: estas fotografias são da autoria de Inês Carvalho Matos; não podem ser usadas no todo ou em parte, com ou sem modificação, em nenhum tipo de suporte físico ou virtual, sem que sejam negociados com a autora os direitos de cedência das imagens.

 

Património de Cristianismo no Japão

O documentário que faz parte da exposição “Património de Cristianismo no Japão” está agora disponível através deste link:  Documentário 45′

A exposição esteve no Instituto Universitário Justiça e Paz da Universidade de Coimbra entre 15 de Abril e 15 de Julho. A partir desta data aceitam-se pedidos para colocar a exposição e toda a programação cultural que a compreende noutras cidades/instituições, a pedido.

Programa standard: evento de inauguração com visita guiada, visitas guiadas para alunos e professores com marcação prévia, workshops de formação para investigadores em estudos japoneses e/ou história das religiões e/ou antropologia com marcação prévia, projecções do documentário comentadas e/ou com convidados.

Essência Japonesa: uma exposição virtual

Fotografias do Japão.

A essência é um odor que paira no ar, é o âmago de uma questão, é o núcleo de um ser, é o principal de uma identidade. A essência é o que se sente quando não se procura, mas ao mesmo tempo é o que de mais importante se define quanto ao eu-próprio de um indivíduo, de uma comunidade, e até de uma nação. As essências não se acham feitas, são construídas. Mas nem sempre quem as fabrica ou delas participa tem a noção do aroma que paira no ar…

Siga o link para ver as fotografias:

essência japonesa exposição virtual

Apresentação do livro, exposição e documentário “Património de Cristianismo no Japão” na Universidade de Coimbra

A exposição de fotografias será inaugurada no dia 15 de Abril, às 18h, no Instituto Universitário Justiça e Paz, que se localiza na Couraça de Lisboa, por trás da Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra.

Esta exposição reúne nove fotografias a cores, recolhidas em diversos lugares das prefeituras de Saga e Nagasaki, as quais se encontram reproduzidas a preto&branco no livro “Património de Cristianismo no Japão”. Este livro, para além de servir de catálogo à exposição, é um texto de tipo não-ficcional, um relato de trabalho-de-campo com forte componente pedagógica, e inscreve-se nas áreas dos Estudos Japoneses e da Antropologia Visual.

Trata-se de um livro de divulgação científica, na medida em que apresenta as problemáticas da investigação de uma forma acessível ao público em geral, repleta de referências para um posterior aprofundamento do assunto, sem comprometer a complexidade do tema nem perder de vista a centralidade do património cultural imaterial.

O livro é uma publicação sem fins lucrativos já que 100% dos Direitos de Autor são doados à Associação Acreditar – Associação de Pais e Amigos de Crianças com Cancro.

Também no dia 15, das 18.30h às 19.30h, e ainda no I.U.J.P. será apresentado o documentário (inédito) que foi criado a partir deste projecto de investigação. A presença da autora permitirá, no final da projecção, algum tempo de conversa com o público.

Para ver a “preview” deste documentário (que foi apresentado pela primeira vez publicamente no lançamento do livro, a 30 de Janeiro), siga este link:

Este é um evento de entrada livre.

A autora agradece ao Instituto Universitário Justiça e Paz pela cedência do espaço.