Mostra de Sumi-e

exposiçao sumi-e 2-3-2018_banner

Exposição

Durante o mês de Março, na Cafetaria & Galeria do Instituto Universitário Justiça e Paz, poderá ver os trabalhos da professora e artista plástica Paula Walker, desde estudos a obras finais, e também alguns trabalhos dos alunos que têm aulas de sumi-e em Coimbra. Através desta exposição procuramos mostrar à comunidade académica e a todos os visitantes deste espaço o mundo do sumi-e de forma acessível e pedagógica.

Visitas Guiadas em 15 min.

Todas as sextas-feiras deste mês, das 16:15h às 16:30h, Paula Walker e também a curadora da exposição – Inês Matos – estarão disponíveis para responder a todas as suas questões e orientar a sua apreciação dos trabalhos expostos. Gratuito e sem necessidade de pré-inscrição.

Novos workshops de Sumi-e!

sumi-e nome banner

As nossas sessões práticas de Sumi-e são coordenado por Paula Walker, artista plástica e professora de artes que tem desenvolvido nos últimos anos o seu caminho pelo sumi-e e amavelmente vem partilhá-lo connosco.

Retomamos as nossas sessões em Fevereiro de 2018,
inscreva-se através de

umlongoveraonojapao@gmail.com

De 2 de Fevereiro a 23 de Março,
semanalmente às sextas-feiras entre as 18:30h e as 20:30h.

(Para saber a morada e ver o mapa do local onde temos as nossas aulas por favor consulte os posts anteriores neste blog.)

Inscrições até 26 de Janeiro ou até que se esgotem as vagas.

Programa temático detalhado deste módulo de Sumi-e:

Dia 2 de Fevereiro
Exercícios com animais: peixes e peixinhos dourados

Dia 9 de Fevereiro
Exercícios com animais: galo

Dia 16 de Fevereiro
Exercícios com árvores:pinheiro

Dia 23 de Fevereiro
Exercícios com os Honoráveis Cavalheiros: bambu em paisagem noturna

Dia 2 de Março
Exercícios com os Honoráveis Cavalheiros: orquídeas e caracol

Dia 9 de Março
Exercícios com flores: camélias e papoilas

Dia 16 de Março
Exercícios com flores: íris

Dia 23 de Março
Exercícios com paisagens: colinas e ervas

Formação no Verão

sumi-e na chronospaper agosto 2017_cartaz

A Chronospaper é uma loja e atelier especializado em papel, arte com papel e restauro de livros antigos. Localiza-se na Baixa de Coimbra, Praça do Comércio. Agradecemos à simpática família Chronospaper a amabilidade de nos receber e aceitar a proposta de realização desta formação. A si, que está curioso sobre sumi-e ou simplesmente adora tudo o que é arte oriental, aproveite para passar um bocado à volta das tintas!

 

12 meses convosco…

Foi em Junho de 2016, com a Pré-Festa do Japão em Coimbra, que arrancámos a sério com o projeto de estudos japoneses em Portugal, tendo finalmente uma Casa que nos acolhesse e um plano pedagógico para todo o ano lectivo que se avizinhava. Durante o  Verão oferecemos os primeiros cursos, preparámos uma exposição interativa e em Setembro começaram a funcionar as aulas. Pela primeira vez na longa história da relação entre Portugal e o Japão, de forma consistente e com ritmo certo semanal, um grupo de pessoas juntou-se para aprender sobre o Japão e a cultura japonesa, todas as sextas-feiras, muitas vezes com convidados japoneses ou proporcionando o encontro de alunos japoneses com alunos portugueses.  Mais de nove meses disto e continuamos, todas as sextas-feiras. Veja o que fizemos juntos neste ano lectivo, e junte-se a nós para os cursos de Verão!

Recomendação de leitura: O Elogio da Sombra.

O Elogio da Sombra, uma obra de Junichirou Tanizaki (1886-1965), foi publicado em 1933 e teve a sua primeira edição portuguesa em 1999. Tanizaki é um escritor que encarna plenamente a sua geração, preocupado com a especificidade (superioridade?) da cultura japonesa ao mesmo tempo que conhece e comenta a cultura ocidental. A obra, despretensiosa e elaborada à maneira de um ensaio livre, é profundamente visual e frequentemente poética, mesmo sem imagens ou lírica. Contudo, a segunda edição (da Relógio D’Água, 2008) apresenta uma selecção de fotografias que ajudam o leitor a ter uma impressão mais nítida de algumas das considerações do autor.

o elogio da sombra

Ler o Elogio da Sombra é uma coisa que um interessado na cultura japonesa deverá fazer repetidas vezes ao longo do seu percurso de aprendizagem. É suficientemente curto para nos ocupar um dia do final-de-semana e suficientemente denso para nos dar que pensar por muitas semanas! A última vez que o tinha lido fora há cerca de cinco anos, precisamente quando estava a começar uma fase intrépida do meu percurso académico, tendo escolhido prosseguir o doutoramento na área dos estudos japoneses. Ao sentir que necessitava de inspiração voltei-me naturalmente para uma das obras que tinha lido na licenciatura em história da arte, e que ainda penso ser fundamental para entender a arte japonesa. Aliás, o texto de Tanizaki, na forma como tece considerações entre a arquitectura, o culto do chá, o mobiliário e decoração, o teatro, a gastronomia, a literatura, a poesia, e mesmo a vida mundana mostra-nos desde o princípio que as categorias de “arte” que usamos no Ocidente não servem para entender as florações de criatividade nipónicas. Não há uma separação rígida entre “artes maiores” e “menores” e a estética aparece-nos como algo fluido, entre as suas diversas manifestações.

A sombra, uma figura que passa pelas diversas experiências estéticas sobre as quais o autor discorre, serve-lhe para integrar a arte japonesa do passado na projecção da identidade japonesa do (seu) presente. Não sendo sequer enunciado que o autor conhece (e dialoga implicitamente com) as obras de Poe, Baudelaire, ou Wilde, o leitor Ocidental poderá contudo sentir que as palavras lhe são dirigidas por alguém que consegue transpor a ponte do divórcio entre culturas. Para além disso, Tanizaki é o autor de um verdadeiro feito em discurso: dirige-se simultaneamente ao leitor estrangeiro e ao japonês (a obra foi escrita apenas para o público japonês originalmente, mas um público profundamente “ocidentalizado”). Argumenta – com veemência mas sem rudeza – a favor da necessidade de preservar o que o Japão tem de japonês, mesmo depois da febre da ocidentalização, do Grande Terramoto de Kanto (1923) e da emergência do discurso imperialista.

O Elogio da Sombra é como um velho amigo que nunca nos desilude mesmo se o negligenciámos um pouco, e nunca merecerá ganhar pó na prateleira. Se ainda não teve a oportunidade de se deleitar com esta leitura considere visitar uma livraria e sentar-se um pouco na sua companhia. Duvido muito que resista a levá-lo para casa…