Crítica de Cinema: 0,5 Miri

Sawa Yamagishi é uma enfermeira de idosos muito dedicada. De facto, Sawa não só cumpre as suas obrigações como enfermeira que presta cuidados ao domicílio como também não consegue evitar preocupar-se com a restante família do idoso. No entanto é precisamente essa atitude que acabará por trazer à sua vida uma série de infortúnios. Tudo começa com um pedido invulgar por parte da senhora que é filha do paciente de Sawa…

Este filme estreou em Novembro de 2014 e é uma adaptação do livro “0,5 Miri” (Meio Minuto) da autora Momoko Ando, publicado em 2011 por Gentosha Inc. Como curiosidade note-se que Momoko Ando é também a realizadora deste filme e ainda a irmã mais velha da actriz Sakura Ando, que aqui interpreta o papel de Sawa Yamagishi.

Não há muitos filmes sobre a realidade nua e crua do idoso acamado, do idoso só, do idoso demente, e esses temas tendem a ser tratados com paternalismo e uma piedadezinha que soa a falso. Este é portanto um filme que manda às urtigas o conforto do espectador e o senso comum da sociedade, que assume as experiências intensas e algo surreis de quem se encontra nessa fase da vida e de quem deles cuida. Ao mesmo tempo, este é também um filme sobre o ser humano que se vê sem nenhum porto-seguro, nenhum apoio, nenhum futuro, que viu – impotente – o colapso do seu mundo, e que tem de recorrer a todos os pequenos truques-de-manga para sobreviver. Há soluções que só ocorrem a uma pessoa quando já não tem nada a perder…

O mais refrescante deste filme é a complexidade das personagens, o que leva naturalmente a uma narrativa sem moralismos. Mas, não se iludam, este não é um filme fácil de gostar. Em primeiro lugar porque exige muito do espectador, da sua disponibilidade emocional, e em segundo lugar porque não nos permite ficar seguros do que estamos a ver. Na sua estrutura, e aliás também na relação entre as personagens, o filme pula entre géneros e referências, traído as nossas infundadas esperanças de o fazer corresponder a uma etiqueta, tanto de cinema como de documentário ou mesmo de biografia.

Um dos sub-temas mais fortes do filme é a reflexão em torno da metamorfose, tanto do exterior e ligada às capacidades do corpo, como do interior e do domínio da memória e personalidade. Nenhuma das personagens é estática e, somando isso à condição de itinerância a que Sawa se vê obrigada, sentimo-nos atirados para um turbilhão. Daí emergem as questões mais interessantes do filme, entre elas quão certo pode estar fazer a coisa errada? Algumas suspeitas que nos são colocadas no início do filme só se esclarecem no fim (mas não se preocupem, não vou falar sobre isso), por isso aguentem que vale a pena. O filme está disponível para venda e aluguer, e para além disso também pode ver-se em dramanice.tv.

0,5 Miri

STOP à apropriação indevida da propriedade intelectual

Como autora de artigos que estão em sites e blogues, e ainda mais como autora de vídeos que publico no meu próprio canal do youtube, tenho tido, infelizmente, algumas surpresas desagradáveis no que diz respeito à apropriação indevida da propriedade intelectual. Por isso vou esclarecer alguns pontos: um texto/vídeo publicado num website ou num blog não é um texto/vídeo de todo e de qualquer um, é da autora e eventualmente do serviço de publicação (se foi comprado), e portanto não pode ser colocado no todo ou em parte noutro website, artigo, blog, etc, sem que a autora seja explicitamente citada e mesmo assim a autora tem que dar autorização quando a citação incluí materiais visuais e audiovisuais.

Num blog chamado “Alma Lusa” vi publicado um dos meus vídeos – que trata da chegada dos portugueses à ilha de Tanegashima e introdução das armas de fogo – como “ilustração” de um texto totalmente alheio ao meu vídeo, e que por isso prejudica a sua leitura como sendo a minha obra original e a minha apresentação do assunto. Escrevi um comentário para esse blog que aqui transcrevo:

Caro Sr. /Cara Sra. gestor do blog Alma Lusa. O vídeo “A chegada dos portugueses ao Japão (…)” colocado na notícia de 20.07.2015 neste blog é da minha autoria. Eu, Inês Matos, criei este vídeo de origem, usando apenas um pequeno excerto do documentário do Francisco Manso, que me foi cedido pelo próprio, mas para além desse excerto usei outras imagens. Sou também a autora da narração total e integral deste vídeo. Não tendo sido informada da publicação do mesmo agradeço que retirem imediatamente este vídeo deste blog ou, em alternativa, façam uma proposta para terem direito de publicação. Sou investigadora em estudos japoneses, autora de livros e artigos e a minha actividade profissional é escrever sobre o Japão. Portanto não podem usar um produto que é minha propriedade intelectual no vosso blog. Aguardo o vosso contacto amigável nos próximos dias pois vou considerar de boa fé que se tratou apenas de um lapso. Atentamente, Inês Carvalho Matos – projecto cultural “Um longo Verão no Japão”, 21.07.2015

T-shirt com mascote já disponível

A t-shirt com a mascote oficial deste projecto cultural foi apresentada na Festa do Japão, a 20 de Junho. Agora está disponível para encomendas!

A mascote oficial do “Um longo Verão no Japão” chega até si na forma de um brinde, um sinal de agradecimento pelo seu donativo, o qual vai contribuir para que possam realizar-se as seguintes iniciativas:

– deslocação a Escolas, Bibliotecas ou outra instituição para a realização de conferências ou workshops;

– por cada 10 euros recolhidos é possível oferecer um dos livros publicados no âmbito deste projecto a um aluno, professor, escola, biblioteca ou qualquer pessoa que o solicite e não tenha recursos para o obter;

– aquisição dos materiais necessários para workshops (gratuitos para os seus participantes);

– manutenção de página de FB e deste blog, concretizando as diligências necessárias para recolher informação para os manter actualizados e relevantes, bem como gratuitos e abertos a todos;

– custos de planeamento e execução de actividades para os alunos japoneses que se encontram em Portugal a estudar português (como por exemplo visitas guiadas e pequenas viagens) e para os alunos portugueses que estão a estudar japonês;

– despesas correntes das iniciativas deste projecto cultural tais como a aquisição de materiais para as exposições, o registo de obras literárias, etc;

– custos de publicação de livros que estarão depois disponíveis sem fins lucrativos, como por exemplo o livro “Património de Cristianismo no Japão”, chegando assim a mais estudantes, investigadores e ao público em geral;

– criação de recursos para suportar as despesas dos convidados para colóquios e colaborações criativas, que trabalham pro-bono mas têm também despesas de deslocação, de modo que seja possível continuar a realizar programas como por exemplo o “Encontro com o Japão” (Fevereiro 2015) que são gratuitos e abertos a todos os cidadãos, e ainda para poder concretiza-los em várias cidades tal como já aconteceu em Vila Viçosa, Lisboa, Cascais, etc.

A mascote “Namban-jin” consiste não só na imagem da personagem fictícia mas também na frase “eu sou um namban-jin” redigida em japonês, tratando-se de uma apresentação ou fala da própria personagem. O design foi criado por Inês Carvalho Matos e  tanto a imagem como o conceito desta mascote encontram-se protegidas por direitos de autor em Portugal e na Europa, pelo que não pode ser reproduzida ou usada fora do âmbito deste projecto cultural.

A impressão a cores em t-shirts 100% algodão está disponível em vários tamanhos e formatos, para homem e para mulher, tanto ao centro em frente como na zona do bolso do peito e em tamanho mais reduzido, sendo ainda possível personalizar as costas.

O valor pedido para cada t-shirt com uma impressão é 15 euros, tendo em consideração que estas são feitas em estabelecimento próprio e têm um custo de produção unitário pré-definido. Os portes de envio para território nacional continental estão incluídos, por isso pode pedir a sua t-shirt, fazer o donativo, obter o comprovativo de envio, e receber a peça comodamente na sua casa. 

Desde já muito obrigado!

11390279_429328903912434_403732371498512658_n 11538136_437951819716809_6660503564018660421_o

Património de Cristianismo no Japão

O documentário que faz parte da exposição “Património de Cristianismo no Japão” está agora disponível através deste link:  Documentário 45′

A exposição esteve no Instituto Universitário Justiça e Paz da Universidade de Coimbra entre 15 de Abril e 15 de Julho. A partir desta data aceitam-se pedidos para colocar a exposição e toda a programação cultural que a compreende noutras cidades/instituições, a pedido.

Programa standard: evento de inauguração com visita guiada, visitas guiadas para alunos e professores com marcação prévia, workshops de formação para investigadores em estudos japoneses e/ou história das religiões e/ou antropologia com marcação prévia, projecções do documentário comentadas e/ou com convidados.