Crítica de Cinema: 0,5 Miri

Sawa Yamagishi é uma enfermeira de idosos muito dedicada. De facto, Sawa não só cumpre as suas obrigações como enfermeira que presta cuidados ao domicílio como também não consegue evitar preocupar-se com a restante família do idoso. No entanto é precisamente essa atitude que acabará por trazer à sua vida uma série de infortúnios. Tudo começa com um pedido invulgar por parte da senhora que é filha do paciente de Sawa…

Este filme estreou em Novembro de 2014 e é uma adaptação do livro “0,5 Miri” (Meio Minuto) da autora Momoko Ando, publicado em 2011 por Gentosha Inc. Como curiosidade note-se que Momoko Ando é também a realizadora deste filme e ainda a irmã mais velha da actriz Sakura Ando, que aqui interpreta o papel de Sawa Yamagishi.

Não há muitos filmes sobre a realidade nua e crua do idoso acamado, do idoso só, do idoso demente, e esses temas tendem a ser tratados com paternalismo e uma piedadezinha que soa a falso. Este é portanto um filme que manda às urtigas o conforto do espectador e o senso comum da sociedade, que assume as experiências intensas e algo surreis de quem se encontra nessa fase da vida e de quem deles cuida. Ao mesmo tempo, este é também um filme sobre o ser humano que se vê sem nenhum porto-seguro, nenhum apoio, nenhum futuro, que viu – impotente – o colapso do seu mundo, e que tem de recorrer a todos os pequenos truques-de-manga para sobreviver. Há soluções que só ocorrem a uma pessoa quando já não tem nada a perder…

O mais refrescante deste filme é a complexidade das personagens, o que leva naturalmente a uma narrativa sem moralismos. Mas, não se iludam, este não é um filme fácil de gostar. Em primeiro lugar porque exige muito do espectador, da sua disponibilidade emocional, e em segundo lugar porque não nos permite ficar seguros do que estamos a ver. Na sua estrutura, e aliás também na relação entre as personagens, o filme pula entre géneros e referências, traído as nossas infundadas esperanças de o fazer corresponder a uma etiqueta, tanto de cinema como de documentário ou mesmo de biografia.

Um dos sub-temas mais fortes do filme é a reflexão em torno da metamorfose, tanto do exterior e ligada às capacidades do corpo, como do interior e do domínio da memória e personalidade. Nenhuma das personagens é estática e, somando isso à condição de itinerância a que Sawa se vê obrigada, sentimo-nos atirados para um turbilhão. Daí emergem as questões mais interessantes do filme, entre elas quão certo pode estar fazer a coisa errada? Algumas suspeitas que nos são colocadas no início do filme só se esclarecem no fim (mas não se preocupem, não vou falar sobre isso), por isso aguentem que vale a pena. O filme está disponível para venda e aluguer, e para além disso também pode ver-se em dramanice.tv.

0,5 Miri

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s