Viajar ao Japão , é possível ?

A todos os nossos amigos, colaboradores e seguidores, cabe esta publicação informar que ainda não se encontram reunidas as condições para realizar a edição da Visita Cultural ao Japão que o nosso Projecto Cultural tanto desejava retomar (finalmente) este ano. Os nossos programas de aprendizagem seriam enormemente enriquecidos pelas experiências imersivas que tínhamos preparado para vós, mas as determinações do Governo do Japão em relação ao controlo de fronteiras ainda estão muito fechadas e não permitem a entrada de visitantes estrangeiros com um programa de visita independente (isto é, sem subscreverem os programas extremamente condicionados e nulos de potencialidade de imersão cultural que estão neste momento a ser ensaiados para a entrada muito controlada de turismo externo). Nesta publicação vamos procurar esclarecer o que se passa ao nível do controlo de fronteiras do Japão, não só para os que nos elegem para os orientar nas suas experiências mas também para todos os que visitarem esta página em busca de informação.

Do encerramento de fronteiras face à emergência pandémica até ao Verão de 2022

Imagem 1: os cidadãos portugueses – que não precisavam de ter Visto de nenhum tipo para entrarem no Japão e aí permanecerem até 90 dias para livre circulação (incluindo turismo) entre 1974 e 2021 – passaram a estar barrados de entrar no Japão e também impedidos de requerer Visto para esse efeito, tendo mesmo sido cancelados os Vistos de trabalho e/ou outro previamente emitidos.

Neste quadro pode ver-se que o regime de “excepção de necessidade de requerimento de Visto” que estava em vigor entre Portugal e o Japão desde 1974 foi unilateralmente cancelado. Pese embora as circunstâncias para a cessação desse regime tenham sido justificadas pela emergência do impacto da pandemia, o acordo bilateral ainda não voltou a estar em vigor (à data de hoje 15-8-2022), isto embora vários outros países que não têm necessariamente relação histórica e cultural tão significativa com o Japão já terem visto o seu regime de “excepção da necessidade de requerimento de visto” de volta ao normal. O facto de Portugal estar posicionado nesta lista (veja-se fonte da imagem em https://www.mofa.go.jp/) leva-nos a crer que o regime de “excepção” através do qual as boas relações diplomáticas entre os dois países eram reconhecidas não tornará a ser reactivado tão cedo.

O Governo do Japão, à semelhança de vários outros países, encerrou as suas fronteiras quase na totalidade em Janeiro de 2021, fazendo uso de cláusulas previstas na sua constituição que lhe permitem reagir a ameaças de saúde pública desse modo. Os cidadãos japoneses, que têm os seus direitos constitucionalmente protegidos, não ficaram proibidos de sair e voltar a entrar no Japão. Contudo, deve notar-se que durante este longo período de tempo tenham sempre existido medidas burocráticas e sanitárias muito apertadas para que esse tipo de movimento transfronteiriço pudesse acontecer. Para os estrangeiros que têm estatuto de residente no Japão, todo o ano de 2021 foi muito difícil, uma vez que era praticamente impossível reentrar no país se escolhessem sair. A reunião de células familiares inter-nacionais também foi desproporcionalmente lesada. O turismo cessou totalmente, porque a entrada de turistas estrangeiros ficou absolutamente banida, e muitos sectores da economia japonesa sentiram esse impacto. A cessação da livre circulação de pessoas teve também um enorme impacto na circulação de estudantes (inclusive aqueles que tinham ganho bolsas de estudo para o Japão, e que não puderam ir para o Japão e beneficiar da sua bolsa plenamente) e de cientistas e outros profissionais do ensino. O meio académico, cultural e outros ficaram efectivamente “secos” de todo o input proveniente de fora do Japão até pelo menos o final do ano de 2021.

No final de 2021 estavam a ensaiar-se as medidas para uma reabertura progressiva, mas o aparecimento da variante Omicron e as novas vagas de infecção, somadas ao facto de se considerar menor efectividade da vacina em circulação (que foi criada não prevendo a variante em causa), levaram ao retractar de intenções de abertura de circulação em moldes prévios a 2021, e à normalização de um estado de “fronteiras encerradas” apesar de a maior parte dos outros países do mundo ter passado a aplicar modelos de abertura por etapas logo a partir de Janeiro de 2022. O ano de 2022 assistiu a um retomar da circulação de pessoas e bens a nível internacional, com as devidas adaptações ao nível do controlo da pandemia por meio de protocolos sanitários e de vacinação. Embora cada país e região do globo tenha reagido de forma ligeiramente diferente, as duas grandes excepções – que se começaram a notar logo na Primavera de 2022 – eram a China com a sua política de “zero casos de covid” e o Japão com a sua política de “impedir a entrada de novas variantes através das fronteiras”. A argumentação com maior peso para a aplicação de medidas de controlo de fronteiras no Japão prendeu-se sempre com a necessidade de prevenir a entrada de novas (e potencialmente mais perigosas) variantes do vírus SARS-COV-2 por via da entrada de estrangeiros, partindo do princípio que o regime de reentrada de nacionais e outros em regime de excepção poderiam ser infalíveis. Contudo, os resultados do período de férias designado “Golden Week” na primeira semana de Maio e a circulação de japoneses dentro do país levaram a que o Japão se tenha tornado, desde o início deste Verão, o país do mundo com maior número de casos diários e em progressão. O Japão encontra-se na verdade numa posição infeliz, porque a população está a ser afectada de forma negativa por políticas de isolamento que levaram a uma quase nula resistência à doença, estando neste momento a ser vítima de níveis muito elevados de infecção e consequentemente uma subida do número de casos graves.

Imagem 2: o período de férias de Verão no Japão trouxe em evidência a impossibilidade de controlar e gerir a infecção entre os japoneses, em circulação pelo seu país ou em cadeias de transmissão familiares , escolares e laborais. Mesmo sendo uma época do ano em que a maior parte dos ajuntamentos é realizada ao ar livre, e nem sequer sendo uma época do ano em que há eventos corporativos regulares (isso seria mais para o final do ano ou na época de “treino” dos novos contratados, em Abril) pode notar-se o evento de uma explosão de novos casos.

Uma vez que o encerramento de fronteiras para os não-japoneses não impediu o Japão de estar a braços com uma situação muito lesiva ao nível da saúde pública e mesmo da gestão do sistema de atendimento hospitalar, muitos têm sido os críticos dessas mesmas medidas de isolamento. Com efeito, apesar de ter passado a ser possível entrar no Japão como estudante ou trabalhador (com certos requisitos naturalmente) ao longo do ano de 2022, a entrada de visitantes, turistas, profissionais liberais (freelance), artistas, familiares internacionais e outros ainda está muito condicionada. E portanto, ao impacto do “isolamento” soma-se agora o impacto de uma catastrófica estratégia de gestão da pandemia em era pós-omicron.

Portugal perdeu o seu estatuto de nação-amiga

Portugal, que tinha com o Japão um regime de “excepção da necessidade de Visto” até um período de 90 dias, era uma das “nações-amigas” do Japão, isto é, países que o Japão reconhecia como tendo uma relação histórica e cultural significativa, cujos cidadãos não eram considerados como potencialmente perigosos, que não tinha com o Japão questões pendentes que ameaçassem as boas relações diplomáticas, que não tinha para com o Japão um posicionamento hostil, enfim, que em nada fazia prever que os visitantes provenientes da dita nação pudessem causar qualquer tipo de incómodo para os cidadãos japoneses, mesmo que lhes fosse permitido circular livremente no Japão até 3 meses. Esse regime de excepção permitia, entre outras coisas, que os potenciais interessados em ingressar em Universidades japonesas ou em realizar a actividade de investigador ou académico no Japão pudessem fazer uma viagem de reconhecimento e estabelecimento de contactos, para que numa segunda fase tivessem a capacidade de planear e executar os seus planos, em benefício também da comunidade académica e científica do Japão. O regime permitia também, todos os anos, vários programas de voluntariado, residências artísticas, ensino informal, imersão cultural colaborativa em comunidades rurais do Japão, que revitalizavam economias despovoadas e em recuperação de catástrofe, bem como a realização de actividades de turismo e fruição cultural para todo e qualquer amante da cultura japonesa com passaporte português, sem as restrições de “pacotes” de turismo massificado desenhados por agências de viagens ou plataformas análogas. A necessidade de “supervisão” dos turistas portugueses no Japão nunca foi uma questão, nem para aqueles que entravam no território por via de programas de empresas comerciais nem para aqueles que elegiam um regime mais livre e independente em que tratavam das suas próprias reservas e percursos. Os cidadãos portugueses eram reconhecidos pelo Governo do Japão como plenamente capazes de interpretar as regras e orientações que vigoravam em espaços públicos e pontos turísticos, aptos para se adaptarem sem grande problema às eventuais diferenças de cultura e comportamento, e em tudo reconhecidos como um povo igualmente “civilizado”.

Imagem 3: em Maio de 2022 Portugal foi positivamente integrado num regime de grupos de risco, pelo que deixou de ser determinantemente proibido para os cidadãos portugueses entrar no Japão. Apesar disso, o sistema de grupos de risco – que se encontra dividido em “vermelho”, “amarelo” e “azul” – veio a integrar Portugal no grupo “amarelo” e desde então não se tem movido para fora desse grupo. O facto de Portugal estar no grupo “amarelo” significa que não se reverteu o cancelamento do regime de “excepção da necessidade de requerer visto”, consequentemente os portugueses ainda não podem visitar Japão como o faziam até Janeiro de 2021. Para um cidadão português é, na prática, impossível visitar o Japão como turista, já que o Governo do Japão apenas permite a emissão de visto de turismo (e em condições muito controladas) a cidadãos de países do grupo azul.

Com o anunciar de novas medidas de controlo de fronterias durante o Verão, seria de prever que as autoridades responsáveis por analisar os dados de cada um dos países e as informações concretas sobre a forma como cada nacionalidade tem estado a medir a sua “performance” chegassem à conclusão que em Portugal, entre os portugueses, a cooperação com as medidas sanitárias e outras foi consensual e que os portugueses têm circulado no seu próprio território e também entre outros países sem que se tenham registados casos significativos de comportamentos irresponsáveis e/ou graves. Os cidadãos portugueses poderiam ser considerados, também pelos dados objectivos provenientes dos números de casos novos e reduzido número de casos graves, como um dos exemplos “bons” para efeitos de turismo em outros países. O visitante português típico concorda com medidas de testagem, tem receptividade para aceitar subscrever seguros de saúde em viagem, e ao longo desde ano e meio aumentou a tolerância para aceitar medidas de quarentena à chegada até 3 dias.

À data de redacção desta publicação, e com grande pesar o anunciamos, Portugal ainda se encontra no “grupo amarelo”, os cidadãos portugueses não podem entrar no Japão para uma visita independente ou para uma visita não integrada em pacotes do JNTO , e o pedido de vistos para turismo está em “stand by”. O elevadíssimo número de casos de covid no Japão também nos faz prever que o país não poderia prestar uma boa assistência médica a cidadãos que entrassem em boas condições de saúde e contraíssem o vírus durante a sua estadia (o que é muito mais provável neste momento e nos meses que se seguem). Portanto, não só não se reúnem as condições para podermos realizar o nosso programa de Outubro como não recomendamos que o procurem fazer por via comercial (pacotes de viagens).

Recomenda-se a consulta de https://www.mofa.go.jp/ca/fna/page4e_001053.html

e também de https://www.japan.travel/en/practical-coronavirus-information/

Nasu Onsen – exclusivo Novembro 2021

Nasu Onsen, um centro de termas naturais localizado nas montanhas de Tochigi, já nos despertava o interesse há muito tempo, mas ainda não tínhamos tido a possibilidade de assegurar uma passagem por lá. Contudo, finalmente, este ano conseguimos aceder ao competitivo mercado de leilões de vagas, o que atesta bem a popularidade e qualidade desta Onsen!

Ao longo de todo o ano, as águas vulcânicas e a natureza luxuriante da floresta abençoam o corpo e alma de quem ali se banha. Nas onsen, quem entra cansado sai restaurado das suas forças, quem entra mal-disposto sai com ânimo e optimismo. Esta é a cultura tradicional do Japão.

Todos os anos, depois do Ano Novo Lunar (que este ano foi a 12 de Fevereiro) e antes do fim de Março, faz-se a primeira fase de leilões para as Onsen de maior prestígio, apenas para consultores pré-selecionados pelas organizações que regulam o sector, de modo a assegurar que a maior percentagem de estadias é atribuída a visitantes que sabem comportar-se nestes ryokans e que realmente desfrutam da cultura tradicional japonesa. As vagas para Novembro são as mais cobiçadas, e portanto mais difíceis de conseguir. Mas, este ano, tomámos a iniciativa de tentar, com o objectivo de recompensar aqueles/as que nos seguem, levando-os/as às termas mais antigas do país do sol nascente. Com efeito, Nasu Onsen, praticamente um enclave nas montanhas, já era famoso pelas propriedades das águas termais no século VIII, pelo que o seu uso regular por monges budistas e outros líderes espirituais deverá ser muito mais antigo. Inicialmente as águas quentes de origem vulcânica eram consideradas sagradas, com a propriedade de “aliviar” as possessões demoníacas que afligiam as pessoas e que se manifestavam na forma de dores e outras enfermidades. Depois, as onsen tornaram-se populares entre viajantes, e por maioria de razão ali naquela zona, porque tem estradas de montanha (caminhos de pé posto e para bestas de carga). E, por fim, na “idade média” do Japão, as onsen já eram um dado adquirido na vida de qualquer pessoa, pese embora o acesso aos ryokans ficasse limitado a quem os podia pagar. Com o período Edo, e a regulamentação da propriedade do solo e do edificado, estabeleceram-se as “dinastias” familiares de exploração dos ryokans com onsen. Em poucos anos deixaram de existir onsens “selvagens” e todas passaram a ser exploradas por estabelecimentos regulados, nos quais se oferecia também estadia e refeições. A maior parte dos ryokans do Japão que têm onsen vulcânicas naturais nas suas propriedades conseguem fazer recuar ao período Edo a sua linhagem familiar.

A tonalidade azulada da água é absolutamente natural e provém dos minerais que saem das profundezas da terra, já que estas termas são de águas vulcânicas. Por isso mesmo, a tonalidade pode mudar ao longo do ano. O contraste entre o azul da água e o vermelho das folhas é muito apreciado no final de Novembro. As folhas de ácer tingem as montanhas de ocres e rubros, e caem suavemente nos lagos vaporosos. Esta é a experiência da sensibilidade japonesa.

Assim, é com muita alegria que anunciamos aqui que temos a possibilidade de integrar 5 sortudos ou sortudas no programa curto de visita ao Japão em Novembro. *

*O programa longo, de 21 dias, pode ser consultado aqui no blog também. O programa curto é de 12 dias. Para ambos os programas só são elegíveis membros do Clube Privado do Projecto Cultural e Pedagógico que tenham aderido antes de Setembro de 2021.

Em seguida vamos apresentar algumas fotos do alojamento que garantimos na Nasu Onsen (há muitos ryokans incríveis nesta zona!). Nesse alojamento poderemos contar com 3 quartos de tamanho grande, cada um deles com duas camas “queen size”. A ocupação de cada quarto deverá ser 2 pessoas apenas. Para um mesmo quarto terão de ser pessoas do mesmo género. Cada um dos quartos tem uma pequena varanda com zona de descanso e vista para o jardim interior do ryokan. No quarto existe wc completo e todas as amenidades. Cada quarto tem acesso directo ao lago interior, natural, de água vulcânica, exclusivo para hóspedes. O acesso a outras onsen, tanto no ryokan como fora, podem estar sujeitos a horários específicos, mas com o acesso directo do quarto não há restrições. O ryokan providencia o pequeno-almoço e o jantar, ambos ao estilo “Washoku” (alta gastronomia tradicional).

A estadia em Nasu Onsen será entre uma terça-feira e uma quinta-feira, pelo que se espera que a região não esteja demasiado apinhada de visitantes, o que habitualmente ocorre aos fins-de-semana. Esta é uma zona onde os próprios japoneses costumam ir às termas e para fazer caminhadas nas montanhas, e o mês de Novembro é o pico da actividade.

Em relação ao resto do programa em que esta experiência está inserida, é um programa focado nos aspectos da cultura tradicional japonesa, com muitos percursos urbanos e de natureza, que começa em Tokyo a 21 de Novembro (saída de Portugal a 20, sábado) e que, depois da passagem por Tochigi, prossegue para Fuji, Kyoto, Nara, e Osaka. Na totalidade, são 12 dias no Japão, com regresso a 2 de Dezembro (quinta). Portanto é o ideal para quem só tiver duas semanas de férias, contando com os últimos 2 dias para recuperar do jet-lag.

Este não é um pacote de turismo, não se trata de venda de viagem e não usamos intermediários nem agências de viagens. Caso seja profissional do sector, queira por favor considerar a sua não elegibilidade para este modelo de visita ao Japão. Aqui no Projecto estamos realmente interessados apenas em proporcionar visitas culturais para os que nos seguem, usufruem dos nossos cursos ou de algum modo estão ligados aos estudos japoneses. A existência de serviços de consultoria neste programa é facultada a custo zero, pelo que o critério de selecção de viajantes é muito restrito. Os profissionais, agências, influencers ou outros que requisitem serviços de consultoria, não beneficiarão das mesmas condições, e terão de se sujeitar ao preçário regular de prestação de serviços.

Estamos ao dispor para esclarecer aqueles que estiverem interessados em saber mais. Para isso basta enviar email para umlongoveraonojapao@gmail.com.

Os dias melhores que virão

O ano de 2020 trouxe-nos muitos desafios, sobretudo para quem, por razões pessoais ou profissionais, foi directamente afectado pela pandemia. Para nós, isso significou fazer um STOP inesperado a vários projectos em curso e aos intercâmbios entre Portugal e o Japão, algo que nos afectou bastante porque levaram muitos anos a consolidar. Mas, felizmente, foi um STOP temporário. Com os planos de contingência em curso, a vacinação a começar e os diversos governos a anunciar a expectativa de reabertura de fronteiras para o Verão, podemos finalmente começar a pensar nos melhores dias que virão. Temos plena consciência que tudo o que esteja ligado a uma circulação intercontinental terá ainda limitações durante os próximos meses e que, mesmo marcando para o futuro, é preciso acautelar a eventualidade de cancelamentos e adiamentos. Aprendemos com 2020 e estamos a aprender com 2021. Escolhemos focar-nos na esperança, sem descurar o realismo, ter em vista a nossa missão, sem esquecer a empatia com as vossas inseguranças (mais do que compreensíveis). Por isso, chegado este momento, apresentamos a versão possível da nossa viagem anual ao Japão para 2021. Este ano, bastante diferente, sendo um recomeço cauteloso às nossas sugestões de imersão nipónica.

Como sempre, os nossos programas de visita ao Japão são experiências de imersão cultural e somos nós que as planeamos e realizamos, sem comprar viagens a agências, sem ter intermediários comerciais, e portanto canalizando o esforço do investimento que os viajantes fazem em experiências concretas, visitas significativas, e serviços com boa relação qualidade-preço. O valor indicado no final é uma estimativa de despesas para os pontos que estão apresentados como parte integrante do programa. Alguns elementos de uma viagem desta natureza, tais como os voos intercontinentais por exemplo, foram considerados pelos seus valores médios e portanto poderão variar se forem adquiridos com menos de 6 meses de antecedência ou se os preçários das companhias aéreas mudarem muito nos próximos tempos.

Este ano introduzimos algumas alterações que nos pareceram de extrema necessidade, como por exemplo o facto de as dormidas serem sempre em quartos privados (single) com WC integrado, sem nenhuma partilha de espaços de descanso ou higiene. Sim, isso torna impossível ter valores tão baixos de alojamento como quando ficávamos em alojamentos partilhados, e também não permite ficar em ryokans onde os vários futons se estendem na mesma divisão de tatami. Mas, por outro lado, proporciona conforto, privacidade, e sobretudo muito menor probabilidade de afectar a saúde de cada um dos viajantes. Igualmente motivados por recomendações de saúde pública, incluímos a obrigatoriedade de um seguro de saúde em viagem (não é só um seguro “de viagem”) e portanto no orçamento de despesa prevista já está esse valor médio. Não têm de o fazer com uma companhia específica, nós recomendamos várias, mas sem prova de seguro feito não se pode incluir na viagem.

Outra modificação considerável em relação ao que era habitual é o facto de o grupo se constituir por 5 pessoas, nem mais nem menos (em vez de 10 como nos anos anteriores). Iremos realizar a viagem se tivermos 5 pessoas que reúnam as condições que se seguem: concordarem com todos os termos do programa e do funcionamento da viagem, serem membros do Clube Privado do Projecto Cultural e Pedagógico, participarem nas acções de formação e preparação anteriores à visita ao Japão e demonstrarem estar aptos para integrar o grupo. Esta não é uma viagem de turismo, e por isso não é por desejarem integrar o programa que iremos admitir uma pessoa. Este ano, mais do que nunca, vamos insistir na necessidade de o potencial viajante demonstrar adequação aos objectivos da experiência e concordância com os termos da sua realização.

Naturalmente, a realização deste programa depende essencialmente de três pontos: o governo do Japão reabrir as suas fronteiras para os estrangeiros com visto de curta duração (no qual se incluí o de turismo), não existir a obrigatoriedade de uma quarentena à chegada, estas duas condições estarem asseguradas até (no máximo) ao mês de Setembro.

O nosso programa de visita ao Japão deste ano começa a 29 de Outubro, com voo a partir de Lisboa. O regresso a Portugal será a 18 de Novembro. Este é um programa de 21 dias!

Os locais de visita serão: Nagasaki, Karatsu, Fukuoka, Osaka, Kyoto, Nara, Fuji, Kamakura, Yokohama e Tokyo.

Ao longo do percurso teremos oportunidade de assistir a um Matsuri (Festival), realizar uma formação sobre Cerimónia do Chá e Doces Wagashi, desfrutar de onsen (termas), ficar uma noite num “capsule-hotel”, fazer caminhadas em florestas coloridas pela folhagem vermelha, passear no sopé do monte Fuji, conhecer ao pormenor o impacto da presença portuguesa no Japão antigo, aprofundar temas já trabalhados nos nossos cursos de Análise Social do Japão Contemporâneo, visitar alguns dos monumentos mais emblemáticos do património cultural japonês e, sempre que possível, beneficiar do contacto próximo com os nossos parceiros (locais). Devido aos temas abordados e às características de esforço físico de alguns dos percursos, consideramos que o mais adequado é que os participantes tenham pelo menos 20 anos de idade e, independentemente da maturidade, se considerem em boa forma física e com grande capacidade de adaptação.

Para uma despesa prevista de cinco mil euros por pessoa, levámos em consideração:

  • o voo internacional de ida e volta;
  • seguro de saúde em viagem;
  • JR pass;
  • wifi;
  • transportes locais e outros;
  • visitas-guiadas/workshops/bilhetes de entrada em atracções;
  • acompanhamento e conteúdos pedagógicos em língua portuguesa durante toda a viagem;
  • alojamento com pequeno-almoço (nem sempre servido no alojamento, mas sempre incluído).

Não está prevista nesta estimativa a despesa das refeições principais (almoço e jantar), as quais serão sempre da escolha de cada um (podemos dar recomendações apenas), bem como as despesas que se façam em “tempos livres” (fora dos tempos de percurso acompanhado), compras, etc.

O primeiro passo para poder desfrutar desta oportunidade de mergulhar nos Estudos Japoneses in situ e conhecer o Japão real, num programa de visita de estudo e lazer, é juntar-se ao Clube Privado do Projecto Cultural e Pedagógico Japão e Portugal. Terá ao seu dispor todas as orientações necessárias para reserva de voos e demais serviços, directamente na sua origem, sem intermediários e sem qualquer tarifa pelos serviços de consultoria personalizada para o planeamento de viagem (que são dados a título gratuito por via do Projecto Cultural e Pedagógico). Por uma questão de eficiência logística, os alojamentos e algumas outras marcações e reservas serão mesmo feitas por nós.

Já sabe, pode contactar-nos por email: umlongoveraonojapao@gmail.com ; ou através da nossa página de facebook, em nome do Projecto Cultural e Pedagógico Japão & Portugal.

Benefícios do Clube Privado

No início do ano lectivo, em Setembro, fomos confrontados com uma escolha difícil. Pela primeira vez desde o início do Projecto Cultural e Pedagógico Japão e Portugal (primeiramente designado “Um longo Verão no Japão”, como este blogue) escolhemos não abrir nenhum programa de aulas, workshops ou ciclos de conferências. Isto prende-se com o facto de a pandemia ainda não estar sob controle no nosso país e com o facto de assumirmos a responsabilidade de não promover comportamentos de risco.

Infelizmente os nossos receios vieram a comprovar-se, já que os meses de Outubro e Novembro vieram a revelar um aumento do número de fatalidades e surtos. Se nos tivéssemos comprometido com o habitual aluguer de espaços para as nossas sessões, ou com a aquisição de materiais pedagógicos e parcerias com professores, seria simplesmente impossível fazer face a essas despesas e o projecto estaria condenado a encerrar definitivamente. Assim, devido à nossa prudência, conseguimos pelo menos continuar a existir em teoria, aguardando melhores dias para retomar as actividades habituais. Entretanto, sem nenhuma actividade presencial, nenhuma participação em eventos culturais de outras organizações, e nenhuma possibilidade de angariação de fundos, mesmo as despesas fixas mínimas tornaram-se muito difíceis de cobrir. Por isso, em Outubro, abrimos uma nova frente: o Clube Privado do Projecto Cultural e Pedagógico. Aí, em formato virtual, temos feito os sorteios de prendas do Japão, temos colocado os recursos de aprendizagem de língua e cultura japonesa, os livros em PDF, os links para conteúdos relevantes para todos os nipófilos, e é também através do Clube que realizamos o lançamento das formações online, os directos, os webinars e as parcerias.

Portanto, o Clube está a constituir-se cada vez mais como a via de substituição virtual dos nossos conteúdos pedagógicos, para além de ser uma comunidade privada onde cada um dos seus membros pode estar à vontade para partilhar as suas experiências, falar de como foi ir connosco ao Japão, colocar questões e sugestões, ou participar gratuitamente nos webinars. O Clube funciona como um grupo privado da rede social Facebook, pelo que requer que os seus membros tenham conta de Facebook para aderir. Contudo, não desejamos excluir ninguém, e por isso – mesmo que não tenha conta de Facebook – se desejar ter acesso aos conteúdos do Clube (embora sem a parte da interacção) é perfeitamente possível contactar-nos nesse sentido e passarmos a enviar-lhe os conteúdos por email.

Escreva-nos para umlongoveraonojapao@gmail.com se não tem conta de Facebook mas gostaria de saber como beneficiar de ser membro do Clube.

Com efeito, a entrada para o Clube requer o compromisso de aderir às regras de funcionamento do mesmo e a disponibilidade de contribuir voluntariamente para a disseminação dos valores deste Projecto, bem como o donativo benemérito definido para o estatuto de membro. Esse donativo benemérito, que até 25 de Janeiro de 2021 se resume a 40 euros, ajuda-nos a cobrir despesas como a anuidade de pagamento de cota em entidades oficiais que certificam a nossa legitimidade e áreas de actuação, nomeadamente como entidade de educação e como entidade de consultoria e serviço nas áreas do turismo cultural no Japão, e também o pagamento das despesas inerentes ao registo de domínio próprio, caixa-postal, armazém para os recursos e materiais pedagógicos (que agora não podem ser usados), entre outros.

Para todos os nossos leitores poderem ter conhecimento das regras de funcionamento do Clube (como grupo do Facebook), colocamos aqui em baixo a transcrição das mesmas.

1 – Sem vendas, publicidade ou SPAM:

Neste grupo há espaço para cada pessoa ser inteiramente e livremente o que é, e isso passa por mostrar o que faz, quais as suas paixões. Contudo, sem vendas, publicidade ou spam.

2 – Sem racismo ou xenofobia:

Acreditamos que as “diferenças” são espaços para aprendizagem, que o “diferente” é curiosidade com potencial de descoberta. Neste grupo nenhuma forma de racismo ou xenofobia é aceitável.

3 – Sem empresas ou perfis-parasitas:

Sabemos que empresas e perfis-parasitas, cujo único objectivo é colonizar grupos e páginas são infelizmente muito comuns das redes sociais. Não são admitidos aqui neste grupo.

4 – Sem assédio ou imoralidade:

As fronteiras de confiança /conforto de cada um são algo muito fluído, podem ser mais amplas para uma pessoa e mais curtas para outra. Por esse motivo jogamos pelo seguro. Seja atencioso/a.

5 – Sem invasão de privacidade:

O grupo é privado por um motivo: não exponha os posts, imagens, vídeos ou outros conteúdos dos seus membros. Para este fórum ser livre e seguro todos devem comprometer-se a respeitar a privacidade.

Para além das regras em si mesmas, segundo as quais cada um dos candidatos pode ser incluído ou excluído do Clube, foram estipulados também dois princípios fundamentais:

1- Ser colaborador, voluntário ou contribuidor benemérito para o Projecto Cultural e Pedagógico Japão & Portugal e, de forma directa, contribuir para suportar, divulgar e apoiar as suas actividades, bem como as actividades da sua autora no que diz respeito à promoção da relação amistosa e cordial entre portugueses e japoneses, nomeadamente na esfera da cultura, arte, turismo e educação;

2 – Aceitar que todas as interações dentro deste grupo ou entre os membros deste grupo, mesmo fora da dimensão virtual, deverão ser norteadas pela adequação, cordialidade, respeito e valorização das especificidades cultuais de cada país / povo, não sendo de todo aceitável qualquer vestígio de agressividade ou intolerância entre os membros.

Até ao momento presente já foram realizadas as seguintes actividades (virtualmente) no Clube:

> Sorteio de caixas-presente de “souvenirs” do Japão. Três caixas-presente foram sorteadas entre os membros que entraram para o Clube até ao fim do mês de Outubro e foram enviadas para as suas residências por correio.

> Acesso a vários livros, dicionários e outros materiais pedagógicos com conteúdos relevantes para a aprendizagem da língua japonesa, e também livros de nutrição e receitas, artigos sobre história e arqueologia, todos em formato PDF, exclusivos para os membros do Clube.

> Anúncio antecipado (antes dos outros canais de divulgação) dos webinars e outras formações online, e acesso à chave de entrada nos mesmos, sem quaisquer custos ou limitação de data de inscrição.

Futuramente, pese embora o acesso ao Clube esteja sempre em aberto, as condições para entrada na qualidade de membro benemérito sofrerão ligeiras alterações, nomeadamente o valor mínimo de contribuição para a adesão permanente. Proporcionalmente, os recursos para os membros do Clube serão também mais desenvolvidos, com a previsão de entrada de mais recursos pedagógicos (em PDF), directos, webinars e outras formas de estarmos em contacto e em aprendizagem online.

Uma vez que o Governo do Japão anunciou recentemente o seu plano de vir a permitir a entrada de visitantes estrangeiros por curta duração a partir do Verão de 2021, esperamos que venha a ser possível retomar os nossos programas de visita ao Japão a partir do segundo semestre do próximo ano, pelo que os membros do Clube também virão a beneficiar de serviços tais como a consultoria especializada para a criação de itinerário de viagem e/ou a integração nos nossos grupos de visita cultural ao Japão (à semelhança do que já realizámos em anos anteriores).

Entretanto, para além da nossa plataforma no Facebook, que incluí a página em nome do Projecto e agora também o grupo do Clube Privado, os nossos leitores/seguidores podem também contar com o canal de Youtube. Neste canal têm sido colocados vários tutoriais, vlogs e entrevistas, incluindo entrevistas a amigos e colaboradores que estão no Japão, pelo que é um canal que nos permite estar mais próximos uns dos outros mesmo nestes tempos conturbados e imprevisíveis.

Em baixo indicamos três temáticas que temos trabalhado mais ultimamente (cada um dos links irá direccionar para uma lista de reprodução, contendo vários vídeos cada):

Rotas e Caminhos do Japão Antigo (até à data, 5 vídeos)

“À Conversa com…” – entrevistas e conversas com amigos e colaboradores, entre Portugal e o Japão. Lista com mais de 15 vídeos.

O que não pode perder! Dicas daquilo que não vai encontrar na maioria dos pacotes de turismo das agências de viagens. (até agora, 5 vídeos)

O que diz quem foi ao Japão

Visitar o Japão com um programa feito à medida é substancialmente diferente de ir apenas “fazer turismo”. Acreditamos que o país, a sociedade, a cultura e as pessoas têm muito para descobrir, e que cada ser humano é único nas suas preferências e na sua personalidade. Mostrar o Japão real, “ensinar” o Japão através da experiência prática e imersiva, não é igual para todos. Nenhuma experiência pedagógica é. Nos workshops, nos cursos e em todas as outras ocasiões formativas seguimos esse princípio, na visita – em viagem – também.

A Mariana, que nos contactou em meados de 2019, tinha um sonho: ir ao Japão. O seu percurso de vida e as suas escolhas já a tinham levado a implementar um conceito muito japonês em Portugal: o pet-café ( Pet & Tea, localizado na Baixa de Coimbra, o primeiro nessa cidade, e um dos primeiros no país). Ao conhecer a Mariana logo se percebeu que para ela o factor “gastronomia” era uma via fundamental para entrar na cultura japonesa, até porque a sua vida profissional passa precisamente por imaginar, confeccionar e servir a felicidade através da comida, no seu café e na sua vida.

Claro, para além desse factor, também foram tidos em conta outros vectores, sempre na perspectiva de responder à questão:  “Como tornar a experiência da Mariana no Japão em algo que inclua a aprendizagem de todos estes conteúdos específicos que queremos introduzir (de história, arte, cultura, língua, etc) e ainda a diversão e alegria que caracterizam umas merecidas férias?”. O resultado, pelas palavras da própria, pode ver-se nestes dois vídeos, filmados já em Fevereiro de 2020, na sala dos gatinhos *, no seu café.

 

 

* Os gatinhos da Pet & Tea são resgatados da rua e estão para adopção.

Tokaido: a rota dos samurais

No nosso canal de Youtube publicámos ao longo do Outono deste ano vários vídeos realizados no Japão, entre eles os vídeos ao longo da rota do Tokaido. Se ainda não viu, recomendamos que comece por este vídeo que criámos recentemente, e que dá uma explicação sobre o que é o Tokaido e o que este representa na história e cultura do Japão.

Clique AQUI para ver o vídeo “O que é a Rota do Tokaido e como podem fazê-la”

Venha fazer o Tokaido connosco em 2020!

Para saber como envie-nos email: umlongoveraonojapao@gmail.com

 

 

As vantagens de fazer parte da CCILJ

UPDATE

11-5-2021

NA SEQUENCIA DE UMA ACÇÃO INQUALIFICÁVEL POR PARTE DA INSTITUIÇÃO CCILJ , INES MATOS E O PROJECTO CULTURAL E PEDAGOGICO JAPAO E PORTUGAL CORTARAM LIGAÇÃO COM ESTA INSTITUIÇÃO E DECLARAM DESDE JÁ NÃO SE REVER NUMA ORGANIZAÇÃO QUE PRATICA O RECONHECIMENTO E PUBLICIDADE DE EMPRESAS COM VALORES QUESTIONÁVEIS. INES MATOS E ESTE PROJECTO DECLINAM PORTANTO QUALQUER ASSOCIACAO A EMPRESAS QUE OPERAM EM PORTUGAL OU NO JAPÃO SEM QUE OS SEUS FUNDADORES E MEMBROS TENHAM ALGUMA VEZ ESTADO FISICAMENTE NO JAPÃO NOS ULTIMOS 10 ANOS E RECUSA-SE A ASSOCIAR-SE A UMA ORGANIZAÇÃO QUE ACEITA A PUBLICIDADE E VENDA DE PROGRAMAS DE VIAGENS POR PARTE DE TAL EMPRESA, LEVANDO OS CLIENTES A CRER – FRAUDULENTAMENTE – QUE POSSUEM SABER E EXPERIENCIA NA AREA. O CONTEUDO DESTE POST FICA PORTANTO SEM EFEITO.

No âmbito da colaboração que estabelecemos com a Câmara de Comércio e Indústria Luso Japonesa, temos já divulgado várias oportunidades e formações aqui neste blog e também presencialmente, através dos eventos que organizamos. Contudo, desde este Verão que também formalizámos a colaboração ao nível da consultoria especializada para o planeamento de viagens e experiências imersivas no Japão.

Temos então o prazer de dar a conhecer aos nossos leitores o teor dos Termos de Parceria, tal e qual como foram apresentados e aprovados pela CCILJ. Se é Associado ou se considera vir a tornar-se Associado, pode contar connosco!

Clique AQUI para aceder ao documento em PDF

A aprovação foi-nos comunicada nos seguintes termos, que aqui transcrevemos:

” Muito agradecemos o envio do seu Termo de Parceria a celebrar com a CCILJ que foi devidamente analisado e aprovado pela nossa DirecçãoIremos dar início a divulgação/promoção da nossa parceria nos meios de comunicação logo que possível e, enquanto Associada individual passará a constar como consultora especializada para criação de itinerários/planeamento de viagens para o Japão. “

A. Brizido

Cargo: Secretário/a Geral da Câmara de Comércio e Indústria Luso Japonesa

Data: 24 de Julho de 2019

Aprender com a prática

As experiências de turismo imersivo distinguem-se do “turismo” porque dão primazia à aprendizagem prática em contexto de imersão. Estamos acompanhados de japoneses e é através deles e em actividades integrativas que temos a experiência do Japão.

received_2405680886418528

Para além dessa missão, sempre presente quando estamos de visita ao país do sol nascente, também temos naturalmente de lidar com as circunstâncias habituais de estar sujeito ao clima. Assim, num dia particularmente chuvoso, e no qual foi necessário activar o “plano B”, visitámos um dos nossos recantos preferidos de Kyoto.

Neste espaço, que congrega vários artesãos locais e proporciona workshops guiados por especialistas, tivemos a oportunidade de usufruir de uma hora de formação sobre a história e usos dos incensos e outras preparações herbais na cultura milenar de Kyoto, e também nos foi possível praticar fazer essas mesmas artes sob uma amigável orientação.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O resultado? Saquinhos de seda de kimono cujo interior guarda misturas aromáticas e medicinais, e que poderão ser usados entre 18 e 24 meses, tanto para conservar roupas e outros têxteis como para dar um bom odor a divisões domésticas.

Com o nosso programa de visita ao Japão e orientação na perspectiva do turismo imersivo, foi possível realizar este workshop sem marcação prévia (decidimos no próprio dia), por cerca de 20 euros por pessoa, sem tempo de espera, tendo ficado com o resultado final do mesmo para nosso “souvenir”.

received_643203889501533

 

 

 

 

 

Oportunidade Primavera 2020

Para quem sonha viajar ao Japão e ver o despontar das flores de Primavera, temos uma boa notícia!

56334662_2270796026317562_8766661097387196416_o

Para grupos organizados autonomamente (que nos contactem enquanto grupo/escola/família/associação/amigos/etc) poderemos oferecer de modo totalmente gratuito um serviço de consultoria para a criação de itinerário de viagem, na condição de nos apresentarem comprovativo de aquisição de voo abaixo indicado (ou com três dias de flexibilidade para cada data) e se aceitarem os termos de realização das experiências de turismo imersivo e demais parcerias que temos no Japão através dos nossos serviços de consultoria.

O orçamento para a realização da totalidade da experiência, incluindo portanto o alojamento, o transporte, as visitas e o acompanhamento permanente, bem como o acesso às experiências exclusivas deste projecto cultural e pedagógico, está disponível a partir de mil euros por pessoa (excepto se forem solicitadas condições especiais de alojamento, ou outras).

Como podem confirmar pela consulta das tarifas de voo internacional entre Portugal e o Japão, a estimativa de despesa para a totalidade da viagem resume-se a pouco mais de 1500 euros por pessoa, numa viagem de 15 dias!

Estas condições só estão disponíveis até 30 de Outubro de 2019. *

porto tokyo marco 2020

* Este Projecto Cultural e Pedagógico e a sua autora não vendem viagens nem serviços de turismo, não retêm comissão nem têm retorno dos serviços ou bens sugeridos aquando do atendimento em consultoria. Para mais informações acerca da natureza dos programas culturais e pedagógicos que desenvolvemos no Japão e em Portugal, por favor contacte umlongoveraonojapao@gmail.com.

 

Um recanto fora do tempo

Murin-an, em Kyoto, é um jardim mas também é uma casa no meio desse jardim, é o espaço da propriedade e tudo o que alberga, mas não seria exagero dizer que é também o espírito de ancestralidade japonesa cristalizada. A belíssima habitação, que data de 1848, é apresentada pelos anfitriões, versados em artes tradicionais como a Cerimónia do Chá, a Arte dos Jardins, e o Kitsuke (o saber vestir aplicado ao kimono). O espaço é gerido pelo governo municipal de Kyoto e existe um programa de actividades culturais muito selecto ao longo do ano. As vagas são limitadas e os participantes têm de se candidatar com vários meses de antecedência, sendo ainda assim escrutinados minuciosamente. O espaço pretende proporcionar o verdadeiro enaltecimento da alma, o aumento da nobreza do saber e do refinamento. Não é o Murin-an que precisa dos visitantes, somos nós que precisamos dele. Ali, a natureza avassaladora do jardim preenche tudo: a vista, o espaço, a mente. E a escala redimensiona-se dentro e fora do ser. O ego desaparece, algures entre um golo de chá ou uma conversa de voz suave sobre o modo de atar o obi.

A partir de 2020, o Murin-an estará acessível a quem nos procurar para serviços de consultoria para planeamento de viagem, na qualidade de uma das nossas experiências de Turismo Imersivo. Apresentamos aqui algumas das fotografias que nos foram gentilmente cedidas.

Este slideshow necessita de JavaScript.