Aviso

A sessão de acolhimento para interessados nos nossos cursos e workshops, agendada para o dia 25 de Agosto, e que teria como programa de actividades o esclarecimento de dúvidas em relação às formações e o diagnóstico gratuito do nível de língua japonesa, sessão essa de entrada livre mas sujeita a pré-inscrição, encontra-se para todos os efeitos cancelada. Esta sessão não se irá realizar por não se ter atingido até hoje (23 de Agosto) o número mínimo de inscrições (3 pessoas). Esta sessão não voltará a ser agendada.

Toda a nossa oferta formativa de Estudos Japoneses em Coimbra está confirmada e irá realizar-se de acordo com o calendário previsto, a partir de 8 de Setembro. Para mais informações por favor consultar o arquivo deste blog ou contactar por email.

Inscrições 2017/18

estudos japoneses em Coimbra_banner pub

As inscrições para o ano lectivo 2017/18 encontram-se abertas. As aulas começarão de hoje a um mês, no dia 8 de Setembro.

O programa de Estudos Japoneses poderá ser frequentado por alunos maiores de 16 anos (sem limite de idade), tanto na sua totalidade como apenas numa ou mais disciplinas. A inscrição na totalidade do programa, por períodos trimestrais, tem vantagens para o aluno, nomeadamente por lhe dar desconto. A inscrição em aulas individuais também é possível, estando sujeita à lotação de cada aula/evento e até 24h antes do mesmo.

No primeiro trimestre do ano civil de 2018 iniciarão novas disciplinas que exigem a frequência das disciplinas leccionadas entre Setembro e Dezembro de 2018, pelo que os alunos que não se inscreverem neste primeiro período poderão não ter todas as opções disponíveis no restante ano lectivo.

Recordamos que este é o único plano pedagógico 100% dedicado aos Estudos Japoneses em Portugal, e que tem o reconhecimento da Embaixada do Japão em Portugal.

Para mais informações por favor escreva para umlongoveraonojapao@gmail.com ou na página de facebook. 

Estudos Japoneses: iniciação

Conferência para pequeno grupo, entre 5 a 15 participantes, seguido de perguntas & respostas. Para participantes em nome individual (excluí empresas e organizações). As informações para efectuar inscrição encontram-se no final desta descrição.

Data: 27 de Agosto (domingo)

Horário: das 18h às 20h

Local: Lisboa, Rua da Esperança (a morada exacta será dada aos participantes inscritos)

Conteúdos:

O que são os “Estudos Japoneses”?

O que podem ser os “Estudos Japoneses em Portugal”?

Como é que um estudante, investigador, curioso ou cidadão comum se pode iniciar nos Estudos Japoneses?

Para que servem os Estudos Japoneses na sua vida pessoal e profissional?

Como é que os Estudos Japoneses em Portugal se relacionam com a História, a Cultura e a Arte?

Como é que os Estudos Japoneses em Portugal se relacionam com o Turismo?

Qual a relação entre Estudos Japoneses e Cidadania?

Se não está interessado/preparado para aprender língua japonesa, os Estudos Japoneses servem para si?

Se é estudante de língua japonesa, porque é que este campo lhe deve interessar?

Entre 29 de Agosto e 2 de Setembro decorrerá, em Lisboa, o Congresso da Associação de Investigadores de Estudos Japoneses – EAJS.http://www.nomadit.co.uk/eajs/eajs2017/index

Este Congresso internacional, que reúne habitualmente cerca de mil conferencistas de todos os cantos do mundo, é o momento mais significativo de partilha de saberes dentro da área académica dos Estudos Japoneses, e realiza-se apenas de três em três anos, sempre em diferentes cidades. Neste ano a cidade de acolhimento é Lisboa e o Congresso decorrerá nas instalações da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Nunca decorreu em Portugal um congresso semelhante, e até muito recentemente não era reconhecido a Portugal (no panorama internacional) nenhum papel nos Estudos Japoneses. Com este congresso espera-se que os investigadores e o público fiquem a conhecer melhor este campo académico e também o potencial dos Estudos Japoneses em Portugal.

Contudo, mesmo neste contexto, poucos são os que sabem o que são os Estudos Japoneses, e menos ainda os que têm uma ideia do que são os Estudos Japoneses em Portugal. Esta sessão pretende por isso abordar a questão premente e no tempo certo, em simultâneo com envolvimento no referido Congresso.

Para se inscrever:
1 – enviar email para umlongoveraonojapao@gmail.com
2 – receberá referência para liquidar a inscrição
3 – deverá enviar por email comprovativo de pagamento (talão multibanco, print screen, digitalização, foto, etc)
4 – receberá comprovativo de inscrição e dados complementares para a sessão

Tragam as vossas perguntas e experiências!

Memórias de Morishima Morito

18766447_10211410512876414_4535805617644056399_o

Foto de Paulo Ramos, Editor.

 

“Pearl Harbor, Lisboa, Tóquio – memórias de um diplomata” é um livro extremamente importante para o estudo das relações internacionais do Jão no período imediatamente anterior e durante a II Guerra Mundial, e consiste na compilação de escritos de um dos diplomatas japoneses mais lúcidos deste período. A somar-se a isso, é o livro que vem definitivamente contribuir para os Estudos Japoneses em Portugal no campo da História Contemporânea, já que Morishima Morito foi também embaixador do Japão em Lisboa entre Setembro de 1942 e o início de 1946.

Esta notável tradução, feita por Yuko Kase, foi editada em Portugal por Paulo Ramos e Laurinda Brandão, sendo um exemplo de perseverança e resiliência, pois (à semelhança de tantos outros livros) o mercado editorial de grande escala não o recebeu. O facto de este livro existir deve-se então à força de vontade da tradutora e dos editores, e a alguns apoios angariados, entre eles o da empresa Toshiba. Pode portanto dizer-se que a existência deste livro reflecte a comunidade nipo-portuguesa e o tecido social e cultural que estes indivíduos têm construído ao longo de mais de meio século.

Como crítica negativa, porventura poderá apontar-se a ausência de notas e referências complementares ao corpo do texto, mas também é certo que o livro não se assume como uma edição crítica. Se disponíveis, estes elementos beneficiariam o entendimento dos episódios, personagens e termos tratados nas memórias, sobretudo na primeira parte, sobre a relação entre o Japão e os Estados Unidos da América.

Apesar disso, este é um livro de fácil leitura, pois o estilo de escrita do próprio Morishima é escorreito, sem contudo cair em simplificações dadas à parcialidade, e ao mesmo tempo evitando a sobre-dosagem de descrições técnicas. O autor revela várias propostas concretas que tanto ele como outros foram apresentando ao governo do seu país e que, ao serem recusadas, levaram à crispação das relações do Japão com a Europa e a América. Com efeito, este é um livro que não poupa críticas à falta de cuidado com que se caminhou para uma situação sem retorno.

O último capítulo do livro, dedicado a uma visão panorâmica sobre a diplomacia japonesa, é particularmente útil aos estudantes e investigadores de Estudos Japoneses e de Relações Internacionais. Nele, o autor faz um resumo do que considera serem as “carências” da diplomacia japonesa: orientação, política nacional em geral, percepção da situação internacional e opinião pública. Diz mesmo que “foi a ausência de todos estes aspectos que conduziu à fraqueza da nossa diplomacia”.

Segundo Morishima Morito “a Guerra do Pacífico, que começou com o Incidente da Manchúria (…) resultou do autoritarismo irreflectido dos militares e da obediência cega dos cidadãos sem uma verdadeira consciência.” Oferece várias hipóteses de explicação para essa posição dos cidadãos, entre elas a de o povo japonês revelar falta de conhecimentos da cultura internacional e inexperiência em lidar com o mundo exterior, fruto da sua situação geográfica e também da política se isolamento seguida na era do shogunato Tokugawa. Contudo, não permite a exoneração de responsabilidades aos políticos, diplomatas e militares, os quais manifestaram uma falta de visão crónica e uma lamentável incompetência no domínio da negociação. Naturalmente, as palavras de Morishima Morito representam a sua visão subjectiva, mas é um testemunho de grande impacto por ter sido escrito logo em 1950 e tendo em vista um público japonês.

Este livro, lançado muito recentemente, entra automaticamente para o nosso programa de estudos japoneses, fazendo doravante parte das obras estudadas no Clube de Leitura e nas aulas de História do Japão. A partir de Setembro, quando for lançado o programa para o próximo ano lectivo, poderá juntar-se ao nosso grupo de alunos e professores e participar na leitura e discussão desta e de outras obras.

Afinal, quais são os desafios da língua japonesa…e como ultrapassá-los?

Na próxima sexta feira recebemos em Coimbra a Professora Tomoko Yaginuma, docente de Língua Japonesa da Universidade do Minho, para uma conferência aberta a todos.

Tomoko Yaginuma, investigadora japonesa de Ciências Sociais e docente de Língua Japonesa presentemente convidada pela Universidade do Minho, apresenta a palestra “Aprender língua japonesa: os desafios e como ultrapassá-los”/ “Challenges of learning the japanese language and how to overcame them”. Esta conferência é especialmente adequada a todos os estudantes de língua japonesa ou a quem considera a hipótese de vir a aprender língua japonesa, independentemente da idade ou motivação.

Línguas de trabalho: japonês, inglês e português.

Inscrições através de umlongoveraonojapao@gmail.com

Alunos do Curso “Japão Língua e Cultura” e membros do Projecto Cultural e Pedagógico “Um longo Verão no Japão”- Entrada Livre
Público Geral – 10 euros (no acto de inscrição)
Lotação: 15 pessoas.