Março: mês da Mulher

Já que no mês de Março se comemora o Dia da Mulher, decidimos fazer um mês inteiro dedicado à Mulher, e mais exactamente ao tema Direitos das Mulheres como Direitos Humanos.

Nos principais índices internacionais, o Japão está sempre muito mal posicionado no que diz respeito a este assunto. Geralmente está em último lugar ou muito perto disso, pelo que o tema é sem dúvida premente no que diz respeito aos Estudos Japoneses.

Estivemos à conversa com algumas pessoas que nos ajudaram a compreender um pouco mais sobre a realidade do Japão contemporâneo no que diz respeito a ser mulher, e também a desmontar a complexidade desta questão.

Para além disso, também criámos um tutorial de viagem dedicado exclusivamente a mulheres que pretendem viajar no Japão de forma autónoma, seja sozinhas ou em pequenos grupos de amigas.

No dia 27 deste mês, para encerrar o tema, vamos dedicar uma das sessões do Curso Online “Análise Social do Japão Contemporâneo” a esta temática, a partir dos livros de Luigi Alberto di Martino (académico que reside há mais de 30 anos no Japão e escreveu extensivamente sobre questões sociais e económicas da contemporaneidade) e analisando algumas das situações reportadas nas notícias no ano passado e já este ano também.

Para assistir a este webinar, tal como todas as outras sessões do Curso online, deverá preencher o formulário de inscrição, o qual está disponível aqui: https://forms.gle/4dWBM7zSd118bXaR8

https://forms.gle/4dWBM7zSd118bXaR8

Caso não consiga abrir o formulário no link acima indicado, solicite acesso alternativo por email:

umlongoveraonojapao@gmail.com

Existe uma sessão por mês, em regime de webinar (seminário online), pelo que poderá sempre pedir informações sobre os próximos também.

Mais e melhor turismo japonês em Portugal

blog

Todos os japoneses ouviram falar de Portugal na escola básica, nomeadamente quando estudaram História do Japão, uma disciplina obrigatória. Sabem, por exemplo, que a introdução das armas de fogo através dos portugueses, no século XVI, transformou profundamente as tácticas militares japonesas e veio a desencadear uma resolução mais rápida do período de guerras endémicas que se vivia na altura. Sabem também que os missionários cristãos que chegaram ao Japão por via da relação com Portugal tiveram grande impacto social e político. E, talvez até mais comummente, sabem que a introdução de doces à base de açúcar e ovos é um legado da presença portuguesa no país. De muitas e variadas formas têm uma vaga consciência de Portugal ser um país conhecido pelo Fado, Futebol, boa comida e pessoas calorosas, mas possivelmente não muito mais do que isso. Sobre o Portugal contemporâneo, os japoneses conhecem pouco. Isto é, se não forem tocados por um dos muitos “divulgadores” de Portugal que já existem no Japão.

 

( Temos mais vídeos sobre os japoneses que amam Portugal e que mostram a cultura portuguesa no Japão! Subscreva o canal de Youtube a apoie os nossos esforços para ligar estas pessoas e iniciativas entre Portugal e o Japão. )

 

Sendo autênticos “embaixadores” do nosso país, existem muitos japoneses e japonesas que, pela sua afeição a Portugal, aos portugueses e/ou à língua portuguesa, têm feito o digníssimo trabalho – muitas vezes por puro amor à camisola – de dar a conhecer os encantos do Portugal do século XXI. Mostram aos japoneses os produtos portugueses de melhor qualidade, sejam vinhos, azeites, comidas ou doces, ou fazem mostras de fotografias do nosso património cultural mais significativo. Organizam concertos de fado, muitos são eles próprios fadistas que aprenderam durante um período de estadia em Portugal. Organizados em pequenas associações, ligados a colectivos artísticos, ou a trabalhar para pequenos negócios familiares tais como galerias, mercearias e cafés, estes japoneses fazem chegar aos outros japoneses uma imagem de Portugal muito concreta e apetecível, feita de sabores, cores, simpatia e encanto. Essa é realmente a estratégia que melhor funciona junto do público japonês, e sem dúvida a que os faz ficar com curiosidade para saber mais sobre Portugal e, eventualmente, visitar.

A atracção manifesta-se de modos muito diferentes em cada cultura. O que faz alguém sentir vontade de saber mais sobre alguém? Sobre um lugar? O que faz alguém imaginar-se a ir, a aventurar-se, a conhecer? Para que o público japonês se sinta atraído por Portugal ao ponto de embarcar numa viagem ao nosso país é necessário que a cultura portuguesa lhe seja dada a experimentar quando ainda se encontra no Japão e através de interlocutores japoneses. E, não menos importante, o modo como isso se pode fazer com resultados positivos, depende de compreender aquilo que exerce efectivamente atracção significativa nos japoneses, aquilo que permite maturar a ideia e a decisão de visitar Portugal e investir no nosso país (mesmo se seja apenas como consumidor de turismo). Ou seja, as estratégias habituais de promoção de Portugal no estrangeiro, nomeadamente as campanhas publicitárias pensadas para o público norte-americano ou europeu, têm pouco ou nenhum resultado junto do público japonês, e podem ter até o efeito contrário!

 

( Vlogs de influencers, blogers a jornalistas, realizados por japoneses em visita a Portugal, têm tido um grande impacto junto dos japoneses. Este tipo de conteúdos veio a tornar-se cada vez mais popular a partir de 2010, sendo já mais visto do que as habituais reportagens de TV, que antes eram o principal meio de construção de “tendências” para os circuitos de turismo. ) 

 

Neste momento todas as actividades ligadas ao Turismo, e todos os profissionais qualificados desse sector (nomeadamente programadores culturais, guias-intérpretes, consultores, autores de conteúdos de divulgação, etc) enfrentam condições inéditas. O evento da pandemia era, em larga medida, inesperado e é indiscutível que arrastou para uma crise profunda todos aqueles que tinham usufruído das extraordinárias condições de expansão do sector na última década. Decisões governamentais tais como o encerramento de fronteiras e a filtragem da entrada de visitantes estrangeiros, não sendo iguais em todos os países, criaram condições para uma redução muito significativa da circulação de pessoas no momento presente e, num futuro próximo, irão conduzir à implementação de novas práticas e sistemas que nunca antes tiveram de ser considerados. No imediato, assistimos a uma mudança de direcção no foco da promoção das práticas veraneantes e de turismo, nomeadamente à reafirmação da lógica “vá para fora cá dentro” e do “visite Portugal”. Apesar de meritória, esta direcção é na verdade de curto alcance, e a insistência na mesma para a sobrevivência do vastíssimo sector do Turismo e Património Cultural em Portugal é inevitavelmente votada ao fracasso. A única possibilidade de sustentabilidade é a retoma de um fluxo de visitantes externos, ávidos de qualidade, receptivos a realizar investimento, e com boas práticas ao nível do respeito pelo património cultural e pelas comunidades que visitam.

Os turistas japoneses, que já são famosos pelo modo como têm orgulho em deixar tudo limpo e salubre à sua passagem, apresentam-se como um tipo de visitante que estima enormemente a manutenção da beleza, segurança e autenticidade dos espaços por onde passam. Têm profunda aversão à descaracterização de lugares (mesmo os que visitam no estrangeiro) e apoiam muito significativamente os circuitos de produção de artigos regionais, sobretudo quando têm um elevado valor cultural e boa qualidade. Por tudo o que foi acima exposto, atrevemo-nos mesmo a a considerar que o turista do Japão é o turista ideal (se não “o” pelo menos “um dos”) para o Portugal pós-pandemia. E, portanto, deveria ser fortemente desenvolvida a estratégia de promoção de Portugal como destino de visita junto do público japonês, no Japão, usando as pessoas, redes e sistemas previamente existentes e que tão bons resultados já foram alcançando. Agora, mais do que nunca, importa partir do que funciona e amplificar, criando condições para que o circuito de visita a Portugal por parte dos turistas japoneses, nos seus variados tipos e géneros, seja cada vez maior e mais profundo, preferencialmente dando a conhecer um Portugal que valha a pena revisitar múltiplas vezes, ou mesmo escolher como residência para os anos dourados das suas vidas.

Assista à nossa conversa com os representantes oficiais do Turismo de Portugal no Japão, disponível em dois vídeos (acesso por Youtube). Agradecemos a partilha dos vídeos e a subscrição do canal, para podermos continuar o nosso trabalho.

 

 

Se não conseguiu ver os vídeos acima indicados, siga estes links:

Parte 1

Parte 2

 

 

Tokaido: a rota dos samurais

No nosso canal de Youtube publicámos ao longo do Outono deste ano vários vídeos realizados no Japão, entre eles os vídeos ao longo da rota do Tokaido. Se ainda não viu, recomendamos que comece por este vídeo que criámos recentemente, e que dá uma explicação sobre o que é o Tokaido e o que este representa na história e cultura do Japão.

Clique AQUI para ver o vídeo “O que é a Rota do Tokaido e como podem fazê-la”

Venha fazer o Tokaido connosco em 2020!

Para saber como envie-nos email: umlongoveraonojapao@gmail.com

 

 

Galos de Barcelos nas ruas de Nagasaki

(siga o link em baixo para ver o vídeo; ou veja no nosso canal youtube )

O tema “Legado da presença portuguesa no Japão” é um dos temas fundamentais deste projecto cultural e pedagógico desde a sua primeira iniciativa (a exposição de fotografia e vídeo “Um longo Verão no Japão”, em 2013), e foi já objecto de uma instalação na Casa das Artes Bissaya Barreto (como podem ver AQUI ). Mas em cada nova temporada de trabalho de campo há naturalmente mais dados, novas perspectivas, e uma melhor compreensão dos fenómenos em curso. Assim, partilhamos aqui neste vídeo – numa perspectiva de divulgação científica acessível ao público geral – um dos lugares de Nagasaki que se configurou recentemente como um pólo central nesta pesquisa. Para além do interesse académico, parece-nos que estes lugares têm também um grande potencial para contribuir para a formação, nomeadamente no âmbito dos Estudos Japoneses, e por isso estamos receptivos ao agendamento de visitas guiadas e outras oportunidades de visita orientada. Aficionados da história dos Descobrimentos Portugueses e da Expansão, fãs do Oriente, e curiosos sobre o Japão em geral, poderão assim fazer um périplo pelo país-do-sol-nascente que incluam estes e outros lugares (para além de Nagasaki), devidamente enquadrados em contexto histórico e com uma lógica de experiência culturalmente imersiva, isto é, fora do circuito comercial das agências de viagens e dando preferência à ligação com as comunidades locais. Aguardamos o vosso contacto por email para umlongoveraonojapao@gmail.com, para planeamento e consultoria especializada, com efeito no ano 2020.

 

 

 

Já viu os vídeos?

No nosso canal youtube temos colocado vídeos criados a partir do Japão.

Clique aqui para seguir já para o nosso youtube!

Já se tornou seguidor do nosso canal? Ainda não? Então vá lá e subscreva. Assinale também a campainha de notificações.

friso videos youtube

Queremos fazer mais vídeos para si, por isso agradecemos que nos indique a sua sugestão ou pergunta. Por email para umlongoveraonojapao@gmail.com, em comentário a este post ou nos próprios vídeos.